quinta-feira, dezembro 13, 2007

Todos os dias...

à ida para a escola é a mesma coisa. Ela escolhe o jogo e vamos metade do caminho a rir que nem patetas. Depois, é certo e sabido que a publicidade radiofónica (àquela hora acho que ouço mais anúncios que música, enfim) ou as músicas que ela escolheu ouvir, preenchem o nosso silêncio. É certo e sabido que não tardo a ouvir uma vozinha estremunhada a confessar: Mãe, quero dormir. A resposta também já está na ponta da língua: Então dorme, filha.

Às vezes, apetece-me dizer-lhe que não preciso de lhe validar estas vontades. Que basta encostar a cabeça e fechar os olhos. Mas este traço de inocência delicia-me, enche-me as medidas, e, mantém a minha menina crescida pequenina. Hoje, não fugimos à regra, ou melhor, quase:
- mãe, quero dormir.
- então dorme, filha.
- oh mãeee, não! Pára, não digas isso! Tu dizes sempre isso! Diz outra coisa!
- não durmas, que estamos quase a chegar.
- ISSO NÃO! Outra coisa!
- dorme.
- obrigada.

6 comentários:

Ana disse...

:) já sabemos o que queremos, hum....

xxx

A

lady disse...

Comovi-me a ler o teu post... É lindo o amor deles.

Mãe da malta disse...

(Quase) conversas de gente grande!

Baguigolas disse...

Lol, é gaja,´nunca é bem assim, é de outra forma! :D

manuela disse...

Até parece que estou a ler uma conversa minha com a minha filha Marta...será que as crianças de 4 anos têm todas o mesmo discurso...este tipo de coincidências deixa-me sempre mais descansada tomamos consciência que os nossos filhos são "iguais" ás outras crianças

Ana Alves disse...

Olá!!

Ela é mesmo o máximO!!!!


beijosssssssss