quinta-feira, dezembro 31, 2009

Bom ano de 2010!



[e hoje, como em todos os hoje dos anos que ainda hão-de vir, tenho saudades tuas. Este dia não voltará a ter o mesmo brilho que tinha quando era o teu dia, mas continuará a ser brilhante só por ti. Parabéns mano.]

terça-feira, dezembro 29, 2009

Ana, não foi só aí!

Trouxe-o ao posto médico do meu trabalho para a enfermeira daqui lhe dar a segunda dose da vacina da gripe (sazonal).

Como a primeira toma foi há um mês (mais coisa menos coisa), o rapaz ainda se lembrava bem do que lhe tinha doído a última e depois de tentarmos eu, o pai e a enfermeira dar-lhe a vacina à força e sem sucesso, lembro-me de lhe perguntar se queria um chupa-chupa em troca de deixar dar a vacina.

Acalmou-se, assentiu, deixou pôr o braço a jeito, mas no momento em que a enfermeira se aproximou com a vacina, volta a espernear e a gritar em plenos pulmões:

- EU NÃO QUERO O CHUPA! NÃO QUERO O CHUPA! EU NÃO QUERO O CHUPAAAAAA!

É que só nos deu vontade de rir.

[mas depois de a enfermeira lhe dar a vacina, calou-se e foi como se nada se tivesse passado. Hoje vai voltar a andar a mostrar o braço aos amigos todos :p]

segunda-feira, dezembro 28, 2009

Conversas com ele...

Ao fim da tarde, estou no quarto a trocar de roupa e ele pergunta-me:

- onde está o pai? foi jogar à bola?
- não, o pai foi a... - e já não faço ideia de onde é que ele tinha ido mas isso agora também não interessa.
- o pai vai levar-me a jogar à bola com ele.

(e continua numa conversa sobre o que vai jogar com o pai, e os chutos que vai dar e os golos que vai marcar)

- tu queres muito jogar à bola quando fores crescido, não é Miguel?!
- Nãaaaaoooo!!! - diz em pânico - quando for crescido não!!! quando for pequenino!!!

Por isso, pazinho começa a preparar-te para os fins-de-semana dos jogos com ele, que a mim já me chegaram os dos ensaios de ballet com ela :p

sexta-feira, dezembro 25, 2009

Temos pijamas novos...

quentinhos e iguais para os quatro. Experimentamos os ditos para ver se é preciso fazer alguma troca mas como tudo fica bem:

- vamos tirar uma fotografia todos juntos?! - pergunta a mãe com um entusiasmo exacerbado para ver se tem sorte e consegue finalmente uma foto dos quatro.
- NÃAAAAAAAOOOOOO!!! - respondem os filhos em coro, sem sequer se dignarem a parar as brincadeiras com a pista nova que deita água e que é excelente para quando queremos refrescar mas não propriamente para brincar em cima do tapete do quarto. (dito assim mesmo sem respirar)

Paciência, fica para o ano.

O pai Natal...

passou cá por casa e deixou dois presentes para os miúdos. Pela primeira vez trouxe algo do que eles pediram e ela espantou-se:

- mãe o pai Natal trouxe mesmo uma Winx! - diz incrédula, para acrescentar logo a seguir - Eu devo-me ter portado mesmo muito bem!!!

Eles no Natal...

os embrulhos dela (fechou-se no quarto e embrulhou e escreveu as dedicatórias)...

os embrulhos dele (feito com carinho na escola)...

os embrulhos deles [falta a parte que ele mais desenhou :(]...


Já começamos a ter as nossas surpresas preparadas por iniciativa deles e é bom.

Anteontem...

Assim que acordou, ele perguntou: agora é o quê, mamã? Depois de percebermos que se referia às estações do ano, explicámos:

- agora estamos no Inverno.
- Inverno?! - exclama surpreendido - então vai chegar a neve!!! Viva! Vai chegar a neve!!! - continua enquanto pula pela sala.

Hoje de manhã, ainda no quentinho da cama, ela pergunta:

- hoje é dia de Natal?
- sim.
- Então vai nevar!!! - exclama num pulo.
- não filha, acho muito difícil que neve aqui.
- oh mãe mas no Natal tem de nevar! O Natal tem de ter neve!

Eu também queria neve no Natal...

quinta-feira, dezembro 24, 2009

Feliz Natal...



Ele contornou as árvores com um molde, ela desenhou os corações à mão e eu rangi os dentes enquanto cortava com um sorriso arrepiado o que eles com afinco delinearam.

Uma lembrança de Natal colorida e cheia de amor, para as que diariamente nos ajudam a fazê-los crescer.

Uma fotografia com a mesma cor e sentimento para vocês, que nos acompanham neste crescimento.

Um Feliz Natal.  Que possa ser vivido à maneira de cada um, mas sempre feliz.

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Por acaso...

não dá para atrasar o Natal só umas horas não?! É que ainda tenho assim umas quantas coisas para acabar, o meu postalito de Boas Festas ainda não está pronto e eu queria tanto tanto não vos desejar um Bom Natal só com palavras... esperam só mais um bocadinho, pode ser?! É que vocês merecem! (o postalito não o atraso entenda-se! :p)

terça-feira, dezembro 22, 2009

Dos pedidos ao pai Natal...

Sinto-me sempre dividida em sugerir-lhes que escrevam ou não uma carta ao pai Natal. Por um lado, porque não queria nada que eles se habituassem a pedir e a receberem tudo o que pedem, por outro, porque simplesmente amo estas missivas ainda tão inocentes. Este ano, seria a primeira a ser escrita por ela pelo que lhes disse para escolherem dois presentes para pedirem ao pai Natal.

Tiveram de pensar a fundo para escolherem duas coisas e nem sequer estão à espera de as receber, porque sabem que o pai Natal tem muitos meninos a quem dar prendas e que por isso deixa apenas uma lembrança na meia de cada um.

Não posso deixar de me sentir agradecida por continuar a ter em casa dois miúdos imunes à propaganda da televisão, aos catálogos do supermercado e ao que os amigos têm. Qualquer prenda que se lhes dê, seja de que valor for, continua a ser estimada pela surpresa em si e não pelo conteúdo.

Das prendas que ela escolheu, só a Winx foi um desejo imediato (a Kitty foi o que lhe ocorreu na altura). Das prendas que ele escolheu, só os gormitis é que foram genuinamente um pedido dele (o relógio veio mais por sugestão da irmã e do que ela acha que ele ia gostar de receber).

E das nossas prendas... sim, gostávamos mesmo de receber uns pijamas e meias quentinhas.

Tenho dormido em média...

3 a 4 horas por noite, sete noites por semana. Acabado o curso que iniciei em Maio, segue-se agora a loucura dos exames, os serviços novos para lançar em Janeiro e mudanças futuras que nem se sabem ao certo o que irão implicar.

A par disso, tenho o meu trabalho de fotografia que ainda contabiliza alguns trabalhos mais complicados em atraso e todos os que já estão planeados para o futuro.

Sinto-me a ter de prestar satisfações de cinco em cinco minutos e permanentemente em atraso, sem conseguir responder a tudo e todos como gostaria. Só não me sinto menos presente para eles (os filhos) o que não deixa de ser estranho se olhar bem para o meu dia-a-dia.

O que eu gostava mesmo de receber neste Natal, era a possibilidade de poder optar. De poder escolher A ou B e levar uma vida mais normal, menos a correr, sem negligenciar família e amigos como tem acabado por acontecer.

A dois dias do Natal, não voltei a mandar postais para ninguém (e a minha Bekas que nunca, mas nunca se esquece) ainda não preparei os votos de Boas Festas, e ao olhar para o que me espera, só vejo correrias e sem conseguir dizer basta! (e nem sequer posso culpar as prendas de última hora, porque isso já está tudo tratado).

Pode parecer um lamento, e é-o de certa forma, mas se não me confessasse agradecida por ter chegado onde cheguei no meu sonho com tanta contrariedade mentiria.

Só tenho pena de nem o conseguir gozar neste momento. Pode ser que seja esta a minha primeira resolução para o Ano Novo.

segunda-feira, dezembro 21, 2009

E a carta está feita...


querido pai Natal
Nós queremos gormitis e winx e relógio do Ben Ten e uma Hello Kity e a mãe e o pai querem meias e pijamas quentinhos.
Obrigado pai Natal

terça-feira, dezembro 15, 2009

Os termómetros...


marcam temperaturas de apenas um dígito mas, para ele a temperatura mantém-se porreira para andar descalço na tijoleira.

Nunca vi miúdo mais calorento, senhores.

Esta já tem uns meses...

Um dia na casa-de-banho na escola, volta à carga e pergunta-me o que são os testículos:

- mamã como é que isto se chama?
- são os testículos.
- é pa quê os testicus?
- olha - vá! pensa rápido! - são para quando fores mais crescido poderes fazer bebés.
- os bebés ficam aqui dentro?!
- não filho, os bebés ficam na barriga da tua namorada.
- então eu vou pôr bebés na barriga da mana!
- não filho, isso não pode ser porque a mana é tua mana e não pode ser tua namorada.
- então és tu a minha namorada!
- não filho, também não posso ser! tem de ser uma menina da tua idade.
- então é a nônô!

E antes que pudesse dizer qualquer coisa, sai disparado, vai ter com a nônô e anuncia-lhe no meio da sala e de sorriso rasgado:

- eu vou por bebés na tua barriga!

Pai e mãe da nônô, só depois do casamento claro! só depois do casamento...

Entrei na última semana de formação...

e nos últimos dois cursos que prometem ser os mais desafiantes de todos no que respeita a conseguir manter-me acordada depois de almoço.

Depois é preparar-me para os exames. Para o ano. Ainda falta muito para o ano, não falta?!

E se de repente...


descobrem na lista dos pedidos da professora do ballet, para a actuação delas na festa de Natal, uma nota a pedir para mandarem as sapatilhas das meninas com os elásticos cosidos para elas não caírem, isso não é Impulse. É um melão do caneco.

(anda já há umas três semanas - e não são quatro só porque faltou uma delas - com um dos elásticos por coser... shame on me, shame on me. Vou ali agarrar na agulha, agora que já despachei mais qualquer coisa e já volto.)

segunda-feira, dezembro 14, 2009

Conversas com/entre eles...

no carro, à noite e de repente (para não variar):

- o que eu não percebo é como é que apareceu a primeira pessoa.

(pai e mãe a fingirem que não ouvem, lai lai lai)

- a primeira mesmo. teve de haver uma primeira pessoa. oh mãe como é que apareceu a primeira pessoa? não pode ter tido nem pai nem mãe!
- bom... há pelo menos duas teorias e numa delas, o Homem descende do macaco depois de muitos e muitos anos de evolução. Por isso é que somos tão parecidos.
- evolução? mas como é que um macaco se transformou num homem?
- olha - diz o pai - já viste que tu há uns anos eras pequenina e agora já estás tão crescida? E daqui a uns anos ainda vais ser maior! É uma evolução, uma transformação que demora muito tempo, mas no caso dos macacos ainda demorou mais...
- oh mãe onde é que está o dia?! - interrompe ele - porque não é sempre de dia?

Acho melhor instituir um sistema de senhas.

Esteve o tempo que pedi para o fim-de-semana...

fotografei todas as tardes e as manhãs foram para eles. Passeámos, respirámos o ar frio, fomos a festas e ao teatro.

Só é pena ter passado tão depressa.

[e se ainda não viram o Gato das Botas ide ver. É uma delícia!]

Coisas boas...

Dançarmos na rua os quatro, de noite, como se não existisse mais ninguém à nossa volta, ao som da música que saía dos bares das redondezas.

E vê-los rir, ouvir as suas gargalhadas, é o melhor bálsamo para o cansaço.

sexta-feira, dezembro 11, 2009

Dia 8 de Dezembro...


Este dia sempre foi muito importante para a minha mãe. Todos os anos ela repetia que este era o verdadeiro Dia da Mãe e eu, todos os anos, não dava importância a esse facto por aí além. Agora sei que a podia ter deixado muito feliz se ao menos num destes dias lhe tivesse desejado um bom Dia da Mãe.

Mas para mim, habituada a ver o Dia da Mãe sempre em Maio, o dia só era verdadeiramente especial porque era o dia de escolhermos a árvore de Natal.

Aqui mantivemos a mesma tradição, ou pelo menos tentamos manter sempre que possível. Já não há a magia de irmos escolher o pinheiro, mas há espirros partilhados pelo pó acumulado nos ramos do pinheiro artificial. Agora também já não há quem queira comer bolas de vidro mas há dois ajudantes ansiosos por amonto... decorar com bolas os ramos da árvore que nos acompanha há já dez anos.

Mas este ano o Natal também está a mexer comigo de outra forma. Faz dez anos que passámos o primeiro Natal nesta casa, com uma puxada de luz da casa do vizinho. Faz dez anos, que passei pela última vez o Natal com a minha mãe e o meu irmão. Faz dez anos em que tivemos o único Natal com as duas famílias juntas em torno de uma lareira incansável e do bacalhau com todos.

Faz dez anos, e isso está a mexer comigo mais do que eu gostaria.

E porque é quase Natal...


e também porque há sempre aquelas prendas complicadas que ficam para o fim e nunca sabemos o que escolher, aqui fica uma dica: um voucher a valer uma sessão de fotos bem divertida.

Para mais informações, enviar email para info@scfotografia.com ou clicar nas imagens.

Sinto falta do meu sentido de humor...

por estas bandas.

Às vezes sinto que este espaço está condenado mas outras, como hoje, apetece-me pô-lo a fervilhar como nos bons velhos tempos.

Hoje é sexta-feira...

e além de estar um frio que sabe bem, o sol brilha e o céu é azul. Seria pedir muito que no fim-de-semana os dias também fossem assim?

Gosto tanto...

quinta-feira, dezembro 10, 2009

Do judo...

O miúdo quer fazer tudo e mais alguma coisa. Quer jogar à bola, dançar ballet, tocar ritarra (guitarra), jogar ténis, tocar piano e por aí fora.

Assim, no início do ano lectivo, à natação juntou-se... o judo!

Achei-o (ainda) demasiado irrequieto para o piano e o ballet e não tem idade para as restantes (mesmo achando que no futebol e no ténis ele já era capaz de se encaixar lindamente), pelo que foi experimentar o judo. Gostou, ficou.

No entanto, o equipamento tardou a chegar e ele, farto de andar a treinar de fato-treino e não ter cinturão como os restantes, decidiu enfiar na mochila um cinto branco de um roupão de banho turco.

Assim que o professor o viu muito decidido a tirar o cinto da mochila e a preparar-se para o pôr, chamou o dono da escola para ver a cena e ele apressou-se logo a arranjar um saco e um fato para ele. Sobrava mangas e calças* mas ele veio orgulhoso!

Gostava tanto mas tanto de ter visto a cena :p

* o do tamanho dele chegou ontem finalmente.

Agora...

que demorei o olhar sobre este blog, sinto que lhe está a fazer falta uma mudança.

Vai ser a sua prenda de Natal.

(só espero que chegue antes dos Reis :p)

Do Natal...


Há quem pendure Pais Natal nas varandas (ainda não se falou nenhuma vez dos ditos este ano!) há quem ponha mangueiras de luzes nos beirais ou varandas, há quem decore as janelas com lindos moldes e depois... depois, há os meus filhos e o seu talento infinito... ou não, ou não.

Para os mais distraídos (porque o talento é inquestionável, obviamente) aqui fica a legenda: Duas casas com chaminés fumegantes e muita neve a cair.

Agora sim, já apetece o Natal.

Pobre blog...

que anda tão abandonado, mas querer fazer muita coisa em pouco tempo é no que dá.

A ver se hoje arranjo um bocadinho para actualizar este cantinho.

sexta-feira, dezembro 04, 2009

Hoje tivemos um miminho natalício ao deitar...


Com ele veio um trolley mágico que começou hoje a sua viagem pelas casas dos meninos da sala da S. carregadinho de mimos, desejos e muitas surpresas.

É segredo o que lá vai dentro para não estragar a surpresa às outras famílias, mas a alegria que ela teve ao reencontrar a princesa Nataluska e a dele ao mostrar-nos cada tesouro que ia descobrindo no seu interior são impossíveis de ocultar.

Sei que ela sente saudades do colégio que agora é só dele. Sei que ela ainda gostava de estar com a S. e com os amigos todos que entretanto já se separaram mas que ela não esquece. Mas sei também que, ao mesmo tempo, ela não quer voltar atrás.

Foi uma hora de dormir a quatro, à luz de uma lua já não tão cheia assim e com uma história de Natal que nos faz sonhar. Tão bom.

Hoje...

do nada, enquanto jantávamos, ele repara na minha cicatriz, e:

- o que é isso que tens aí? - enquanto aponta com o dedo na sua cara o local onde eu tenho a cicatriz.
- é uma cicatriz.
- como fizeste isso mamã?
- olha, andava a correr e um menino empurrou-me e eu cai em cima de um vidro. É por isso que é perigoso empurrar-se os amigos.
- e fez sangue?
- sim.
- doeu muito?
- sim.
- mas ele era teu amigo, mãe? - pergunta ela.
- sim filha.
- como chama-se ele? - continua ele.
- Renato.
- mas tu perdoas-te-o, não perdoaste mãe? - quer ela saber.
- sim filha.
- ah ainda bem - remata aliviada.
- e levaste uma pica? muitas picas?

...

terça-feira, dezembro 01, 2009

Um feriado serve para muita coisa...

Serve para ir, com amigos e a filharada toda, ver as luzes da baixa e a árvore a piscar (e levar com chuva e uma birra de sono em cima, o que sabe sempre bem obviamente).

Serve para ver o filho delirar com o Nemo e a filha a encolher-se de medo com o mesmo (e ter de lhe garantir, que mais ninguém era comido e que o filho iria voltar para ao pé do pai, mas mesmo assim não chegar ao fim do filme).

Serve para os filhos descobrirem as aventuras do Popeye (e os pais confirmarem que a bonecada de antigamente era muito pouco didáctica com tanta violência e hábitos pouco recomendáveis nos heróis :p).

Serve para se comer o primeiro chocolatinho do advento (e de abrir assim as portas ao Natal cá em casa) e de os ver ansiar pelos seguintes.

Serve para fazer compras, trabalhar e receber visitas (e como nós gostamos de visitas).

Serve para separar, arrumar, emprestar e reservar para dar roupa que já não serve, e, organizar melhor os roupeiros e gavetas para a estação que já se instalou finalmente.

Serve, ou melhor, serviu para muito só que já acabou... mas para a semana há mais! Tão bom.

segunda-feira, novembro 30, 2009

Primeiras vezes...

Foi na sexta-feira que leu pela primeira vez um livro do início ao fim.

Há lá privilégio maior que assistir da primeira fila ao crescimento de uma criança?

sexta-feira, novembro 27, 2009

Perguntas difíceis...

Anda aflito pela casa, como de costume. Depois de o pressionarmos para ir à casa-de-banho pede-me para ir com ele e lá vamos os dois. Estou a acabar de o sentar na sanita, quando:

- porque é que a avó Lurdes morreu?

(whaaaat?!)

- porque estava muito doente, filho.
- porquê?
- porque há doenças muito más filho.
- porquê?
- não sei, filho.
- onde é que ela está agora?

(glup)

- então filho, quando morremos vamos para debaixo da terra descansar*.
- para descansar muito?
- sim.
- quando é que a avó morreu?
- quando como? com que idade é?
- sim.
- era já muito crescida filho, assim como o avô Guilhermino.
- o avô Rilhémino já está morrido?
- não filho!
- quando é que o avô morre?
- só quando ele for muito velhinho.
- mas eu já estive doente e não morri!
- pois não filho, mas a avó estava mesmo muito doente.
- olha quando os dois formos velhinhos e formos morridos, vamos os dois descansar para debaixo da terra e depois vimos para casa está bem?



* a parte do céu e das nuvens já tinha sido usada e já não convencia...

Conversas com ele...

(de manhã, depois de se ter vestido todo sozinho como quer sempre fazer)

- a Joana vestiu-se sozinha?
- não, foi a mamã que a vestiu. - respondi-lhe.
- eeehhh a mana é bebé! Eu já sou quescido! Eu comi os espinafes!

(à noite quando chegou)

- sabes mamã, eu quando for para o pimeiro ano também vou para o ballet, pois é? eu ainda não fui mas eu tenho de ir para ballet!

(à noite depois de contada a história, bebido o leite, ouvidas as duas músicas da praxe e a luz apagada)

- pai, eu não quero dormir.
- shiuu...
- eu não gosto de dormir, pai!

Acabam hoje...

as quase três semanas de quarentena que tivemos cá por casa.

A gripe passou cá por casa com pezinhos de lã mesmo com dois asmáticos ao barulho, o Tamiflu também, e, eu escrevi para aqui um post imenso que dizia que não vale mesmo a pena o histerismo, a pressão para que os pais tomem decisões em relação às quais não estão seguros, que se cancelem festas de Natal ou que ande tudo baralhado com as opiniões dos entendidos.

Mas apaguei tudo outra vez e não vou dizer nada. Ouçam o vosso médico e sigam-se por ele, ignorem o resto.

Já começam a haver por esses blogs fora muitos posts que dizem isso tudo com um português muito direitinho.

Eu estou fechada em casa há duas semanas por uma gripe de treta... já não tenho paciência e hoje acordei de mau-humor. Estou um bocadinho farta desta confusão toda, pronto é só isso.

segunda-feira, novembro 23, 2009

Na semana...

que passou fechada em casa, a miúda descobriu um novo gosto: a moda.Será que tenho uma futura fashion stylist em casa?clique para ampliarAcho melhor começar a preparar-me para ouvir mais umas quantas destas...

domingo, novembro 22, 2009

Domingo à tarde...

Um quarto, dois irmãos. Sempre juntos. [adormeceram os dois no sofá, depois da brincadeira no parque. Ela acordou primeiro e veio acabar os deveres para o quarto. Ele deu pela falta dela, levantou-se, deitou-se na cama dele e voltou a adormecer :)]

sexta-feira, novembro 20, 2009

Sniff...

Ele faltou ao primeiro passeio da escola. Ela faltou ao primeiro passeio da escola. Eu vou faltar ao primeiro jantar de gajas out/inv 09. buáaaaaaaa [ele ficou a semana passada em casa com o pai, eu fiquei esta semana com ela, e, ao que parece, vou ficar a próxima em casa sozinha... será que o pai quererá ficar comigo?]

quinta-feira, novembro 19, 2009

Não, eu não tenho máquina de lavar-louça...

e daqui a uns (valentes) anos, alguma mulher vai-me agradecer.

Os genes são tramados...

Quando começa a ficar impaciente ou saturada com o trabalho que está a fazer, começa a limpar e a arrumar. [pediu-me um pano e começou a limpar a secretária e as prateleiras dela cheia de entusiasmo... Já agora, amanhã pode te dar a travadinha outra vez ok? Mas já agora, vem para a sala]

quarta-feira, novembro 18, 2009

Do estar em casa há tanto tempo...

e de querer fazer tudo e mais alguma coisa: Abrir (agora) o armário dos detergentes e descobrir lá dentro o sumo que, supostamente, guardou no frigorífico ontem ao jantar.

Coisas boas...

Estar a trabalhar ao computador e ouvi-la na sua secretária a dar os primeiros passos na leitura enquanto faz os trabalhos de casa.

segunda-feira, novembro 16, 2009

Imagens dela...

de molho. - ai não vou à escola a semana toda?! fixe!!! [e o próximo que me disser que ficar em casa é um descanso vai ter de se ver comigo...]

sábado, novembro 14, 2009

Quentes e boas...

A Joana queixa-se que lhe dói a cabeça novamente e eu sugiro-lhe que deixe o computador. Ela desliga-o, vai para o sofá e liga a televisão num dos canais de desenhos-animados. - oh Joana, se te dói a cabeça, não é boa ideia ires ver televisão! - porquê? - em tom desconfiado - dói-me a cabeça, não me doem os olhos!!! [e hoje fizemos a sesta os três, ela porque lhe doía a cabeça, ele porque sim, e eu porque ele quer sempre alguém ao pé dele e não fui capaz de me levantar quando já podia.]

sexta-feira, novembro 13, 2009

Imagens dele...

de molho. - gosto muito de ter umas meias iguais às tuas mamã!

Conversas com ele...

- mamã quero que tu durmas comigo... - vai lá deitar-te que eu depois deito-me um bocadinho ao pé de ti. - não mamã, vem agora!!! - agora não posso que ainda vou trabalhar um bocadinho. - mas vais quando? - quando já estiveres a dormir. - vais trabalhar onde, no computador? - sim. - não mamã! é de noite e de noite é para as pessoas dormirem! tu nunca dormes ficas sempre no computador... - mas a mamã precisa de trabalhar um bocadinho e depois vai-se deitar. - não mamã, é de noite por isso tu tens de dormir. Anda, vem dormir comigo. [e fui, e deitei-me com ele, e deixei-o adormecer abraçado a mim, mas a razão, essa ninguém lhe tira...]

quinta-feira, novembro 12, 2009

Esta semana...

está a ser cheia de muito assunto para escrever, mas não sei bem por onde começar... fico-me pelo miúdo doente, pelo cão que começou a segunda fase de tratamentos que vai determinar o seu futuro, pelo sábado cheio de boas fotos, pelas noitadas de volta de álbuns que simplesmente parecem não avançar, e, pelo início da penúltima semana de formação que ao contrário do que possa parecer à primeira deixa-me sempre muito mais esgotada. Tudo a desenvolver noutra altura, noutros posts.

segunda-feira, novembro 09, 2009

sábado, novembro 07, 2009

Estou...

a preparar o saco para as duas sessões (fotográficas) de amanhã e pego na mala, com que andei durante o dia, para tirar o que preciso. Lá de dentro sai-me uma gravata dele, um boneco do outro, ganchos da outra, um caderno de anotações, uma agenda, receitas do cão, uma carteira, as chaves do carro, um desenho dela, um guia de espectáculos para o mês que vem, um pacote de lenços, dois telemóveis, um carregador, um pacote de pastilhas, uma pen, uma caneta, um convite para uma inauguração de uma exposição fotográfica e talões vários. O que vale é que a mala era pequena...

sexta-feira, novembro 06, 2009

Estas duas últimas semanas...

não tem sido fácil para mim concentrar-me no trabalho e o esforço que tenho feito para não me atrasar ainda mais tem sido brutal e muitas vezes infrutífero. Não é o excesso de trabalho que me deita abaixo, pois é o stress de muito para fazer em pouco tempo que me motiva e dá energia, mas sim a sensação de tempo desperdiçado em frente ao computador agarrada a trabalhos transformados em obras de Santa Engrácia. [e o ridículo é que sei exactamente o que preciso, só que os meus pés demasiado agarrados à terra não me permitem considerá-lo como uma opção válida.]

2010...

Já tenho trabalhos, peças de teatro, espectáculos de ballet clássico e operas agendadas, num período entre Janeiro e Outubro de 2010. Já não me bastava o crescimento dos filhos para os anos passarem ao dobro da velocidade?! [faz-me confusão pensar a tanto tempo de distância...]

quarta-feira, novembro 04, 2009

Conversas com ela...

Na segunda, aviso-a que no dia seguinte ela e o irmão vão levar uma vacina e que por isso vão chegar mais tarde. - Mas vou mesmo chegar mais tarde à escola? - Sim filha, mas já avisei a professora. - Ai ai... Onde é que já se viu uma chefe de turma chegar mais tarde? Não é nada bom exemplo! violinha enfiadinha no saquinho e siga, que p'rá frente é que é caminho.

Dele...

Tenho de encontrar uma actividade onde ele esgote toda a sua musicalidade. Onde ele possa dançar, cantar, tocar, fundir-se com as notas musicais. Pede para ir para o ballet (e esteve quase a ir este ano), quer imenso aprender viola (e sempre que assiste a estas aulas, enquanto esperamos que a irmã saia da aula de piano, não mexe um músculo nem solta um som), exige treinar as pautas depois da irmã com mestria na imitação. Dança, canta e exige público (de preferência que o aplauda e vibre com a sua exibição). Todo este meu filho é música. Todo este meu filho é ritmo. E eu falo tão pouco (aqui) deste meu filho.

Não estou nem cá, nem lá...

estou simplesmente a tentar encontrar-me novamente. Arrisco-me a dizer que é nestes momentos que eu consigo ajuizar melhor o que me rodeia. Que me sinto mais clara em relação ao que quero, a mim e aos outros. (Mesmo que doa.) Que me sinto mais forte para reagir, mas menos segura. (Ou com mais medo.) Que me sinto mais eu. E que me sinto menos satisfeita. Preciso de espaço, mas não de me sentir isolada. Preciso de silêncio, mas não de ausência. Preciso de de tempo para sentir a tristeza e a desilusão que me invadem. (Porque eu também me entristeço e me desiludo e tenho dúvidas.). Preciso tanto. E não estou a ser vaga, é mesmo isto.

segunda-feira, novembro 02, 2009

domingo, novembro 01, 2009

O esqueleto mais lindo...

[foto da Soph]
também tem o feitiozinho mais torcido. [era para ter ido com asas de morcego feitas de saco do lixo, mas estragou as duas tentativas que fizemos porque não tinham um dos bicos como ele queria, pelo que fiz esta já quando estava a dormir. De manhã delirou com a surpresa, mas ia-a destruindo só porque meteu na cabeça que a tinha vestido mal... enfim, a culpa é sempre dos genes.]

sexta-feira, outubro 30, 2009

Vocês...

são simplesmente o máximo. Obrigada por todas as sugestões, ao apoio e às ofertas de ajuda (as quais estou à espera de ter uma informação para poder dizer o que realmente preciso). A sério, muito obrigada. Quanto ao Lucky, temos dado os comprimidos ora enfiados em salsichas ou restos da nossa comida e por enquanto está a ser pacífico. No entanto, todas as sugestões que nos fizeram estão devidamente anotadas num caderninho porque calculamos que com o passar do tempo as que funcionam agora poderão deixar de resultar. Um beijo de obrigada a cada um de vocês.

terça-feira, outubro 27, 2009

Depois do choque...

o lado prático sobrepõe-se. Como é que vamos dar seis comprimidos de cada vez, todas as doze horas (e três deles para sempre), a um cão que pesa mais do que eu e que detesta comprimidos?! É que não vamos poder esconder os comprimidos em chouriços ou coisas do género... são duas vezes por dia e para sempre. Alguma sugestão?

A miúda, a escola e eu...

Comecei o ano com algumas dúvidas em relação a algumas opções da escola. A seguir fiquei sem saber o que pensar de algumas das opções da professora. Depois assustei-me com o facto de começarem logo com testes no primeiro período. Fiquei por isso a aguardar a reunião com a professora, para colocar todas estas minhas questões, saber um pouco mais dos seus planos e saber até que ponto é que a Joana já estava habituada ao novo espaço, às novas rotinas e à própria professora.

Saí de lá mais tranquila e mais confiante na professora e nos seus planos para este ano lectivo. Sobre o meu medo de já estarem a exigir demasiado (e cedo) dos miúdos com os testes, descansou-me explicando que - além de serem uma forma de avaliação, obviamente - se destinam principalmente a ajudá-los a desdramatizar os dias de testes e a prepará-los sem stresses para os exames mais a sério que os esperam ao longo da vida. Também me explicou os seus pontos de vista em relação aos métodos adoptados e esclareceu-me as dúvidas que tinha em relação aos mesmos, pelo que os meus receios iniciais foram largamente desvanecidos.

Fiquei também a saber que a Joana ainda não se tinha aproximado - nem a deixado aproximar - o suficiente, para que ela a pudesse conhecer realmente mas que estava totalmente adaptada ao novo espaço e aos novos amigos. E foi assim, despreocupados e a tentar que ela não desse muita importância aos ditos, que encarámos a primeira semana de testes da miúda mais velha lá de casa.

No fundo, no fundo, apetecia-me fazer aquilo tudo por ela e evitar o ter de começar já estas coisas todas de menina crescida. Porque, no fundo, no fundo, sinto saudades da menina com tótós encaracolados que sorri nas molduras lá de casa. Mas a miúda cresceu, perdeu os caracóis, e a mim nada resta senão ir a reboque dela, de modo que quando lhe perguntava como é que tinha sido o teste e ela me despachava com um não me lembro, eu resignava-me e tranquilizava-me porque esse silêncio, essa tranquilidade, era no fundo aquilo que eu não queria que ela perdesse.

Ontem recebi os testes para assinar: um Excelente (tudo certo a Matemática) e dois Muito Bom (uma resposta meia-certa a Português, e, uma que se esqueceu de responder a Estudo do Meio). Parece-me que vamos no bom caminho. Boa miúda!

E entrou...

uma nova palavra no nosso léxico: Leishmaniose (canina). E o futuro tornou-se demasiado incerto para o nosso amigo Lucky. [se por acaso algum dos meus amigos estiver a planear ir a Espanha nos próximos tempos, mandem-me email pode ser?]

segunda-feira, outubro 26, 2009

No carro...

às vezes dou-lhes o porta-cd's para as mãos e deixo que escolham o que quiserem. Invariavelmente, eles acabam por escolher sempre o cd com a label - arranjem-me lá a palavra correcta em português, sff - que os chama mais atenção. Hoje foi o Miguel a escolher e o eleito foi o Best of the Beast, dos Iron Maiden. Duas músicas depois: - ó mãe eu gosto disto!

sábado, outubro 24, 2009

Toma lá que já almoçaste...

Filho pede à mãe para brincar com as plasticinas e que esta se junte à brincadeira. Mãe, delimita que nem CSI a área autorizada para a brincadeira e escusa-se a juntar-se a ele porque, e cito, "tenho de ir tomar banho". Filho acede e mãe sai. Pelo caminho a mãe pára no computador para ver a última troca de mails numa conversa que começou há dias e fica por aí mesmo. De repente, uma voz: - mas tu não tens de ir tomar banho?! sim pai... filhinho.

sexta-feira, outubro 23, 2009

quinta-feira, outubro 22, 2009

Um dia vou ter tempo...

para vos mostrar o que tenho feito. Até lá, resta-me correr contra o tempo e contra todas as contrariedades que têm surgido. Resta-me agradecer a teimosia que me dá a resiliência para não desistir nem ceder ao cansaço, e, o facto de continuar a acreditar - e a ter tanta gente que acredita - em mim.

domingo, outubro 18, 2009

É um cavalo! Não! É um pónei! Ah!...

afinal é só um cão...

A minha filha, a minha rica filha...

a mesma que já vai lendo histórias a meias - muito mal medidas - com o pai, reclama que não consegue adormecer sem que eu, depois da história e do leite, cante as músicas-de-dormir. Eu até acreditava não fosse ter tirado esta foto meia-hora antes do pedido de musiquinha...Sai mesmo ao paizinho dela para dormir...

sábado, outubro 17, 2009

Pela primeira vez...

decidimo-nos a fazer uma festa fora de casa. Pela primeira vez optei por fazer os bolos em casa. Pela primeira vez, passei os dias antes da festa sem estar presa a listas intermináveis. Pela primeira vez, pude-me dedicar aos miúdos e fotografar eu própria uma festa dos meus miúdos. Pela primeira vez, não tenho um domingo de limpezas pela frente. Pela primeira vez, decidi fazer uns saquinhos das tão famigeradas guloseimas para dar aos miúdos, e...esqueci-me de os dar. Acho que foi de tanto descanso.

A fada e o nadador-salvador...

a história de duas personagens que enriquecem os meus dias. Dia após dia. Sempre a eito. Com dois princípios mas sem fim. [e é incrível como continuo sem saber como é que me sinto ainda tão completa, se desde que me conheço nunca me imaginei completa assim...]

quarta-feira, outubro 14, 2009

Ia escrever...

um resumo da conversa, o como começou e como chegou a esta frase mas desisti. Deixo apenas o que me calou qualquer resposta: - oh maiin... - sim - se tu ficares doente como a tua mãe enquanto eu for assim pequenina, o que é que fazemos?

terça-feira, outubro 13, 2009

A miúda fez seis anos

e o melhor presente que recebeu foi um tapete de rato usado. O convite surgiu há uns meses pelas palavras de uma querida, e hoje, com um boa disposição e um carinho imenso, o José Relvas da Rádio Renascença, recebeu-a (e aos emplastros dos pais e irmão) numa visita pelos estúdios da rádio com direito a assistir a uma gravação e muitas explicações sobre tudo o que ela via ao seu redor. Quanto a ela, emudeceu a partir do momento que lhe contámos qual seria a surpresa e praticamente só falou quando voltámos a entrar no carro. A prova que estava extasiada com tudo o que viveu. - Então filha, gostaste da surpresa?! - SIIIIMMMM!!! Só tenho pena de não ter visto a antena! Obrigada meus queridos por nos terem ajudado a realizar-lhe este sonho! Obrigada! É tão fácil fazê-los felizes.

A felicidade é simples e não tem preço...

e eu deixo um abraço virtual a todos os que nos dispensaram umas palavrinhas de carinho. Muitos já vêm de longe, outros são acabados de chegar, mas as vossas palavras deixam-me verdadeiramente emocionada ao lembrar-me de tudo e todos os que este blog já me trouxe. Obrigada.

6 anos de ti...

e a cada ano que passa descubro-me cada vez mais parca de inspiração. Talvez porque penso sempre no mesmo, talvez porque te desejo sempre o mesmo, talvez porque te amo cada vez mais. Tenho saudades de ti pequenina, mas a única coisa que desejo é poder continuar a ver-te crescer. Tenho saudades dos dias em que não me saías do colo, mas adoro ver-te deixar-me confiante de ti. Tenho saudades do bebé que arregalou muito os olhos quando me viu pela primeira vez, mas não trocava os beijos que me dás só-porque-sim por nada. Estou orgulhosa de ti. Muito. E estarei sempre aqui para ti. Sempre. Parabéns minha (para sempre) pequenina. Parabéns.

segunda-feira, outubro 12, 2009

Adivinhem lá o que vou dizer agora...

A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! A minha filha tem 5 anos! pelo menos durante mais três horas... ai.

sexta-feira, outubro 09, 2009

Dos pedidos deles...

Há miúdos que pedem todos os brinquedos que vêem nos anúncios da televisão, ou nas montras das lojas, ou nas prateleiras dos hipers. E depois há os que pedem sem parar que querem ir dançar num rancho e desfilar nas marchas. Adivinhem qual é o tipo dos de cá de casa.

Da escola...

Eu queria vir cá dizer que já estão a aprender a última vogal (o "e") e que a miúda já se destacou por ser conversadora (porque fala e fala e fala), cabeça de vento (porque se esquece de tudo e mais alguma coisa) e perfeccionista (não desiste enquanto aquilo que faz não fica bem para ela e acaba por ser sempre das últimas a acabar por causa disso) - se alguém me reconhecer nesta descrição está completamente enganado. Completamente! Queria vir dizer que não faço ideia do que já deu nas restantes disciplinas porque ela não conta - como só tem trazido trabalhos de casa de língua portuguesa nem por aí consigo controlar - e que quando lhe pergunto diz apenas que era muito fácil. Que muitos dos lápis compridos que lhe comprei já estão afiados até meio e que dos 24 já só existem uns 16. Que vou ter reunião com a professora para a semana para saber melhor como é que ela está a adaptar-se e a evoluir. Que a miúda já entra sozinha na escola e vai para o pavilhão, onde tem as suas aulas, bem direita e orgulhosa desse feito (e que o mais novo decidiu fazer o mesmo e começou a despedir-se de nós no início do corredor e lá vai ele direito e orgulhoso entrar na sala sozinho). Que gosta de fazer os trabalhos que tem para fazer bem feitos mas que não se pela por fazer trabalhos a mais e que por isso o seu caderno de escrita livre continua praticamente vazio, para pouco contentamento da professora. Queria pois. Mas fiquei em choque ao receber o "calendário das provas de avaliação de conhecimentos" e descobrir que a miúda já tem seis testes (três para a semana e outros três no final do próximo mês) para fazer. Ela está na boa. Nem sequer liga nenhuma a esse facto. Antes assim.

terça-feira, outubro 06, 2009

A febre passou-lhe...

e no feriado fomos rebolar na relva com um menino lindo, procurar trevos de quatro folhas com amigas de sempre, e, treinar golpes de judo em bolas de futebol.De manhã, que de tarde, só choveu.

sábado, outubro 03, 2009

Não sei em que tom escreva este post...

se num "ora bolas, as febres já o apanharam...", ou então, num "tão lindo o meu filho, que esperou pelo fim da tarde de sexta-feira para começar a ficar com febre e poupou-nos a todos umas correrias!" É isso, está com febre. Só. Mas às quatro da manhã tive de lhe ir fazer uma pratada de cérelac.

quarta-feira, setembro 30, 2009

Rir ou não rir, eis a questão...

No carro, a regressar a casa, o sol de fim-de-tarde a bater nas janelas. Ela a mirar-se no espelho retrovisor, a ajeitar o cabelo, a experimentar novos visuais, um sol dourado a bater-lhe apenas sobre um punhado de cabelo, e nisto: - oooooohhhhhh! - pânico! - oh mãe, oh mãe! eu tenho uma ameixa* no cabelo! mas eu juro que não fui eu que pintei! não fui! É que não consegui parar de rir... * madeixa

terça-feira, setembro 29, 2009

Ui... já?!

Domingo, no carro sozinhas a caminho de casa, quando de repente: - mãe quando é que eu vou ter um telefone para mim? Pausa. Processa a pergunta, não te esqueças de respirar. - um telefone? Queres dizer um telemóvel?! - sim, mãe! Quando é que eu vou ter um telemóvel?! ui estás tramada! mas como é que ela se lembrou disto?! - sei lá filha! - mas quando mãe? quando é que eu vou ter um telemóvel? aiaiaiai isto tem coisa... - não faço ideia, porquê? algum colega teu tem telemóvel, é? - não! mas eu quero saber quando é que vou ter um. - oh filha não sei a sério, quando fores mais velha. - mas com quantos anos, mãe? esta agora! a miúda encravou foi? tu toma cuidado, vê lá bem o que dizes, olha que te tramas que ela não se esquece! - sei lá, 12, 13 ,14, 15... só tens quando precisares mesmo dele filha. - ai só?! - responde incrédula. só?! apetece-me replicar - olha que se calhar é até cedo demais filha! a mãe só teve o primeiro telemóvel lá pelos vinte anos! - vinte?! mas aos vinte já tenho uma carteira não tenho mãe?! bonito... isto vai para onde agora?! - sim, claro. - pois é que aos vinte já tenho a carta para conduzir por isso preciso de uma carteira. cala-te, tu fica caladinha - mas preciso de dinheiro para pôr na carteira. como é que eu ganho dinheiro mãe? - então... podes trabalhar nas férias por exemplo. - oh mãe, é mesmo verdade que se eu tiver boas notas posso escolher o meu trabalho? (mais conversa) - então quais são os trabalhos que dão mais dinheiro?! nada como ser pragmática.

É de madrugada...

e arrasto-me até à cama. Esgueiro-me pela porta do meu quarto, deslizo os pés até à janela, ignorando uma peça ou outra de roupa que possa estar caída aos pés da cama, e abro uma fresta da portada para de manhã conseguir despertar melhor. Um passo ao lado e enfio a mão por entre os lençóis para os levantar apenas o suficiente para me meter entre eles. Nada de lençóis, só umas pernas minúsculas e nuas no lugar que é o meu. Ferrado a dormir, desisto de o levar para a cama dele e decido-me arrastar apenas a mim até lá. Sai de um quarto, entro noutro e deslizo os pés ainda com mais cuidado para evitar um qualquer carrinho ou peça de lego que possa estar onde não deve mas onde costuma sempre estar quando andamos descalços e às escuras. Chego à cama dele e quando já me estou a sentar para deitar, eis que sinto alguma coisa. É ela. Desisto de a passar para a cama dela e enrosco-me eu na almofada dela, no cheiro dela e... rrrrr... rrrrr...

quarta-feira, setembro 23, 2009

Palavras (só) dele...

- desqueci-me (tal como a mana) - golomesa - faísca macquinde Gosto tanto!

Filhos, esse ser maravilhoso...

- Mãe hoje estás tão bonita! - declara, enquanto me afaga o laço da camisola. - Obrigada, filha! - agradeço com um sorriso, porque antes das oito qualquer elogio sabe sempre melhor. - Mas vais mesmo assim para o trabalho? Acho melhor não. olha m'esta...

terça-feira, setembro 22, 2009

Da gripe A e o jeitinho que dá já ser Outono...

No fim-de-semana andei sempre metida no meio de flores a fotografar e a brincar com os miúdos na relva, pelo que acordei a meio da noite com uma bela dor de garganta e uma fonte no lugar do nariz. A época das alergias está oficialmente aberta e os meus olhos irritam-se e choram com saudades do Verão. Há noite já se voltou a ouvir os roncos e as farfalheiras no quarto dos miúdos, e eu começo a preparar-me mentalmente para o que aí vem. Na escola dele, nem se dá conta da histeria que anda aí. As medidas de higiene agora tão amplamente difundidas e recomendadas em tudo o que é notícia, são praticadas nesta escola desde sempre. A mim é isso que me faz confusão, o mostrarem agora as professoras/educadoras nas escolas a limparem mesas com produtos próprios depois de terem estado a ter actividades ou a comer, quando para mim isso sempre foi a regra e não a excepção. Na escola dela, também as medidas tomadas parecem-me bastante sensatas e não se sente nenhum histerismo em torno do assunto. A professora também se apresenta bem informada e mesmo quando lhe disse que a miúda podia apresentar febre como reacção às vacinas que tomou na semana antes do início das aulas, descansou-me informando que caso ela começasse com febre na escola iriam primeiro tentar despistar se havia razões para a colocar em isolamento ou não e que entrariam em contacto comigo caso se justificasse. Mas voltando ao início ontem acordei constipada e fiquei na dúvida do que fazer. Por um lado sabia que era apenas uma constipação de origem alérgica, mas por outro, se fosse uma gripe no início como é que me ia sentir depois sabendo que tinha andado por aí a contagiar o pessoal? É verdade que não tinha febre nem um único sintoma de gripe, mas seria melhor confirmar? E é assim que percebo que mesmo pensando que não, a histeria da gripe também já me apanhou um bocadinho. Venho trabalhar, mas a meio da tarde começo com aqueles arrepios de frio e o bicho-papão-gripe-A volta a perseguir-me os pensamentos e lá vou eu ter com a enfermeira medir a febre. Digo-lhe que estou constipada e que só queria confirmar que não tinha febre e ela tudo bem. Termómetro debaixo do braço e ela tudo bem. Conversa de chacha e ela tudo bem. Até que eu digo "pois é que agora com esta histeria toda, e mesmo sabendo que isto é alérgico mais vale confirmar se não tenho mesmo febre, só para continuar mais descansada e descansar os outros" e é aí que algo nela faz click! Ai mas tu sentes-te com gripe?!- pergunta ela. Não. Ai mas não tens mais nenhum sintoma?! - insiste enquanto se dirige rapidamente para o lavatório e começa a esfregar as mãos energicamente. Não, e nem tenho febre agora. - constato pelo valor indicado no termómetro. Ai mas se tiveres algum sintoma de gripe não saias de casa e telefona que se for preciso encaminho-te para a saúde 24, está bem?! E eu apeteceu-me dizer que não, que se me sentir com gripe vou mandar as criancinhas para a escola e que vou lá eu pessoalmente entregá-las e beijar a criançada toda, e fungar o nariz no autocarro que apanho todos os dias e agarrar-me com as duas mãos ao varão depois de as ter usado para tapar algum espirro, que virei trabalhar e que vou ter a brilhante ideia de ir matar saudades dos colegas das outras secções, e que finalmente, também não me vou esquecer do saco da ginástica em casa para poder lá ir deixar bastante suor durante a hora de almoço. Não há dúvida que esta estação vai ser muito divertida...
Podia dizer que adorei este dia, que todos eram uns queridos e que esta miúda é a miúda mais bem disposta que alguma vez conheci. Mas depois podiam pensar que é só conversa fiada, por isso mais vale deixar-vos apenas um cheirinho das fotos. Acho que falam por si. [e se nas vésperas destes dias eu me interrogo porque é que eu fui apaixonar-me por isto, e porque é que tenho de deixar os meus para fazer o que me dá prazer, e se realmente vale a pena seguir este sonho, no dia percebo que sim e quando vejo as fotos, já não tenho dúvidas... pelo menos até às vésperas seguintes.]

segunda-feira, setembro 21, 2009

Coisas de miúdos...

Vai à casa-de-banho sozinho. Passado um bocado dou conta que a torneira não pára de correr e lembro-lhe que a água faz falta ao planeta pelo que feche a torneira rapidamente. Continua a água a correr e lembro-lhe que quem faz asneiras não tem direito a surpresa. Torneira fechada, miúdo fora da casa-de-banho e mãe descansada por não ter de continuar na busca de razões. Quando entro na casa-de-banho o espectáculo está à vista de todos. O tubo de pasta-de-dentes toscamente apertado, o lavatório todo branco - mais branco, diga-se - filas de pasta de dentes por todo o lado, um copo cheio de água esbranquiçada a repousar ao centro. - Migueeeeeel, o qué isto?! - Estive a fazer bolinhas de sabão! - responde confiante - Mas não dá.

Finalmente...

quase seis anos depois, a máquina verde sai finalmente de cena!!! Pena é que seja para entrar o inalador. Siga.

quinta-feira, setembro 17, 2009

Ele e o Judo

Ontem foi a primeira aula, e ao perguntar-lhe o que é que tinha feito: - levantei a perna assim, e pus as mãos nos pés e fiz aaahhhhh... e dei muitas cambalhotas assim, e depois com os amigos fiz assim e dei pontapé assim... e outra cambalhota assim... só visto.

Eu não disse que era "por enquanto"...

ontem teve bolinha amarela. Ao que parece a cadeira tinha picos.

A gripe A e as crianças...

Deixei o resto do quadrado de chocolate que ela não quis em cima da bancada da cozinha, e: - mãe, acho que devias arrumar isso ou o chocolate ainda apanha a gripe A.

quarta-feira, setembro 16, 2009

Do segundo "primeiro dia"...

ainda não foi uma aula a sério porque "oh mãe, a professora disse que começar logo com aulas a sério não tinha piada nenhuma!" e ocuparam o dia a criar os quadros de comportamento, presenças e propostas para assembleia de turma, a nomear os responsáveis da semana para algumas tarefas (a Joana é serra-filas :p) e a estabelecer as regras da turma. E quando lhe perguntei o que tinha feito, respondeu-me: Fizemos pouquinhas coisas mãe e a professora de Inglês sabe falar português*!!! Hoje é então o primeiro dia de aulas "a sério", numa sala já com desenhos nas paredes e quadros com nomes e bolinhas verdes (por enquanto :p). * na escola anterior as professoras só falavam em Inglês com eles, e esta última não era mesmo portuguesa, por isso o espanto.

Futilidades...

Tenho um verniz novo lindo lindo e o raio das unhas decidiram começar a partir-se pelo sabugo. Oh vida desgraçada... oh desilusão! :p

terça-feira, setembro 15, 2009

Da minha formação...

o esforço que faço para não adormecer entre as 14h e as 15h é sobre-humano...

E o primeiro "primeiro dia"...

correu lindamente. Depois da recepção da professora na sala, juntaram-se aos restantes colegas da escola para um dia cheios de jogos e muita animação. Acho sinceramente que foi uma opção bastante inteligente porque assim proporcionaram aos miúdos a possibilidade de se familiarizarem com o espaço, professores e colegas num espírito de equipa e boa disposição. Além disso, deu tempo para os amigos que já não se viam desde Julho (na turma dela quase metade dos alunos foram colegas dela na pré e seis deles estão juntos desde os 2/3 anos) matarem as saudades acumuladas sem o problema de perturbarem o ambiente da sala de aula. Quando cheguei andava feliz a brincar com os amigos no recreio e nem teve grande pressa em vir ter comigo. Hoje é o primeiro dia de aulas no sentido mais restrito do termo. Na sala tinham mais uma surpresa à espera deles: um cantinho de leitura com um tapete bem colorido, várias almofadas e uma mesinha e banco de apoio. Gostei desta opção da professora de começar com uma sala vazia e irem agora decorando e criando o que precisam em conjunto. Desta forma, a sala de aula vai ser realmente deles. Estou morta de curiosidade por saber o que mais lhes reservou este dia e ansiosa por ler-lhe os sentimentos no olhar.

segunda-feira, setembro 14, 2009

8h50...

Uma sala cheia de miúdos radiantes. Uma sala cheia de pais ansiosos. muitos beijos, muitos abraços, muitos sorrisos nervosos. Uma professora desejosa de começar. Um envelope com uma dedicatória dos pais à espera de cada um na sua mesa. A alegria deles. Foi tão fixe! [fotos e mais novidades só logo à noite que esta semana estou em formação, logo sem grandes hipóteses de devaneios por estas bandas]

Aos três anos...

ainda sabe bem dormir ao colo. E a mim sabe bem senti-lo a dormir. [e a fotografia é cortesia do pai cá de casa... um luxo de tão raro! :p]