sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Hoje...

acordei com o humor em alta. Mesmo bem-disposta. À hora de almoço ainda fiz uma razia aos saldos/nova colecção e comprei prendas para os aniversários que se avizinham, mais umas coisas para ele e a boa-disposição continuou em alta. Ao final do dia, fui à farmácia e, só em cremes para ele, gastei mais dinheiro do que gastei à hora de almoço. A boa-disposição mantém-se mas perdeu o brilho. bah para as peles atópicas.

Dúvidas existenciais aos cinco anos...

No carro, no final de um dia extenuante, com uma dor de cabeça intermitente (dói muito - dói - dói muito - dói - and so on) e eles sempre a bombar nas perguntas. Oh mãe isto. Oh mãe aquilo. Porquê mãe? Mas porquê? E aqueloutro mãe? Porquê? Até que:

- Oh mãe. Estás a ver? Eu faço tantas coisas. Muitas coisas. O ballet, o piano, a natação. São tantas coisas mãe. São... mene... cinco coisas mãe!
- Não são cinco filha, são três.
- Ah pois, três. Mas são tantas coisas mãe! E eu assim não sei!
- Não sabes o quê filha? - pergunto enquanto peço para dentro que possa ser agora que ela se decide a desistir de alguma e me alivia a agenda, e já agora a carteira, porque genica tem ela de sobra para tudo isto e mais alguma que se junte.
- Porque eu assim não sei o que vou ser, mãe!
- Então?! - Pois não sei se vou ser bailarina, se vou tocar piano ou se nadar. Assim não sei o que vou ser mãe!
- remata em voz dramática como a situação o impõe que ela é despachada e nada como arrumar a história da vocação antes de entrar na escola propriamente dita.
- Mas tens tanto tempo, filha... - isso era o que eu queria, mas o mais certo é piscar os olhos e voilá, ter uma miúda de aparelho nos dentes e ipod nos ouvidos à minha frente.
- Pronto já sei. Já sei o que vou ser. (xiça que ela é rápida. eu só descobri há uns meses atrás...)
- Vou ser mãe! É isso vou ser mãe! (fico na sensação intermitente de pensar que posso entender isto como um elogio ou dizer-lhe que não se meta nisso, ritmada pelo dói - dói muito da dor de cabeça)
- Não! (ai!) - Vou ser mãe e professora! É isso!
- Já decidiste?
- Já!
- Então está bem.

O melhor é começar a tricotar as botinhas.

terça-feira, fevereiro 24, 2009

Eu gosto do Carnaval...

mas o único cortejo de Carnaval que tinha visto a desfilar tinha sido em Colónia, Alemanha. Aqui irrita-me a mania de se imitar os brasileiros com desfiles ao som de samba e mulheres em biquínis e plumas que contrastam com a falta de tropicalidade do nosso país. Gostos ou desgostos à parte, este fim-de-semana tinha de fazer a cobertura de um cortejo carnavalesco. Odiei a ideia. Adiei o mais que pude. Pensei até em não fazer, mas... Às vezes dos maiores desafios, nascem as maiores surpresas. Foi o caso do 11º Desfile de Carnaval de Lisboa. Foi uma animação pegada, apimentada por uma mistura de culturas e recheadinha de festa.Para o ano levo os miúdos! [mais fotografias aqui e aqui]

No sábado...

fiz mais um baptizado. Agora já não preciso de Kompensans mas o peso da responsabilidade deixou-me uma ciática. A L. estava linda, o dia simplesmente perfeito e foi um autêntico prazer partilhar este dia com a sua família tão simpática. Para mim, foi mais um passinho na direcção certa e os próximos estão quase aí. É devagar que quero avançar. Só não vale voltar atrás. [giro giro, é falar destas coisas com a minha sogra - que é das pessoas que conheço uma das que mais trabalha - e ela achar que sou doida por me meter a fazer tudo o que faço]

Há vícios...

que não acabam.

Ser princesa no séc. XXI...

Afinal...

tive direito a uma princesa com tiara de ouro e rubis e a um futebolista de remate certeiro. Tenho o futuro garantido.

domingo, fevereiro 22, 2009

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Gosto do sono dos bebés pequeninos...

É por estas e por outras que esta minha nova aventura é (acima de tudo) um prazer. [Obrigada a todos os que tiveram uma palavra de incentivo e aos que ou já tive ou vou ter o prazer de fotografar em breve. Obrigada pazinho por estares aí também, mesmo quando achas que as horas que passo com o nariz enfiada em fotografias são demais.]

Postal ilustrado...

com o meu corte de cabelo. Satisfeitas? [foto tirada ainda ontem à noite com a câmara do portátil. pode ser que mais logo haja mais fotos...]

Ai que giros, ai que giros...

Ele de pirata-de-perna-de-pau, com uma pala pintada e um bigode revirado, ela de índia com uma pena nas tranças e pintura de guerra nas bochechas. Ai que giros que iam. E aposto que até queriam fotos, não era? Pois eu também. [raio de putos mais avessos a fotografias que me tinham de sair... humf]

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

Força de hábito...

No carro, leva o dedo ao nariz e faz sangue. - Mãe, dá-me papel que eu tenho sangue no nariz. - E como é que tu tens sangue no nariz, Joana? - digo ao mesmo tempo que lhe chego o papel. - Foi com o dedo. - Mas tu sabes que não se põe o dedo no nariz. É uma porcaria. - Pois... Amanhã tens de dizer à S. que não posso pôr o dedo no nariz porque sou alérgica.

Manos...

No carro, ao regressarmos a casa, repartimos geralmente o tempo entre conversas sobre o dia e com jogos de que se lembram. O preferido deles é o jogo do silêncio (e confesso que há dias que também é o meu) mas ontem ela quis jogar a um novo: - É assim, um diz uma coisa e depois todos têm de dizer coisas que existem dentro dessa coisa. Quem não souber diz espaço! - Espaço?! - interrogo. - Sim, espaço! Mas só dizes se não souberes! - Ah, já percebi. Não é "espaço" é "passo"! Dizes "passo". - Ah "passo". Começo eu. Escola! - Mesas. - Cadeiras. - Livros. - Amigos. Depois de não nos lembrarmos mais nada, é a minha vez de escolher "uma coisa": - Então, eu escolho Casa. - Manos! - diz ela imediatamente. Sorri.

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Elogios matinais...

Estamos os dois a preparar a papa na cozinha. - O que tu tens no cabelo?! - pergunta-me ele desconfiado. Ainda ensonada, levo a mão ao cabelo para perceber o que será mas lembro-me que ele se deve estar a referir ao corte. - Nada filho, foi a mãe que cortou o cabelo. - digo com um sorriso. Nada. Continua pasmo a olhar para mim como se me perguntasse onde é que eu estava com a cabeça. - Não gostas? - pergunto. De resposta levo um aceno negativo de cabeça e o mesmo olhar de incredulidade. - Não estou bonita? - insisto a medo. Não, pelos vistos não estou porque ele volta a dizer que não com a cabeça e o mesmo ar de quem não percebe o motivo pelo qual posso ter feito uma coisa daquelas. - Mas porquê? - Está munto pequenino... E não parou de olhar para mim, como se eu tivesse tido a ideia mais infeliz do último século.

terça-feira, fevereiro 17, 2009

E depois de...

tantos devaneios, leio A morte à porta de casa de José Saramago, e perco a vontade de brincar. Será mesmo que o nosso mundo não sabe mais do que isto? Será que o nosso futuro não vai ser mesmo melhor do que isto?

Formas de começar bem o dia...

Já contei do meu encontro imediato com a porta do carro, já contei a da visita elucidativa à cabeleireira, só me falta contar a que se passou em pleno corredor da escolinha. Mãe e filho no corredor. - mãe o que tu tens na tua barriga?! - pergunta ele bem alto, não fosse alguém não perceber bem a pergunta. - nada filho... - respondo entre-dentes e a olhar de fininho para as mães à minha volta. - O QUE TU TENS NA TUA BARRIGAAAAAA?! - insiste enquanto me levanta a camisola, e me dá palmadinhas na minha "barriguinha". Quem tem filhos tem tudo. [O que me vale é ter a auto-estima novamente em alta com este corte de cabelo todo fashion...]

Dos cabelos brancos...

Não sei o que aconteceu, mas os meus cabelos brancos decidiram aparecer de forma exponencial este Inverno. Não se vêem, mas basta levantar a franja que aí estão eles tesos e a brilhar para o mundo. A primeira confirmação foi dada pela minha filha que, ao ver-me com a franja presa por um dos seus ganchos cor-de-rosa, me informa com um dedo bem apontado da sua mais recente descoberta: Aaaahhhh!!! Tens aí branco, mãe! A derradeira prova foi hoje, quando a cabeleireira pega numa madeixa de cabelo e o levanta para lhe aplicar a navalhada certeira: Xiiii, o que é que se passou aqui?! Você não tinha nada e agora está cheia de brancos! Pois.

Nada como...

dar com a porta do carro na nossa própria cara logo de manhã. Auch. E agora, que tenho um belo de um hematoma decorado com um ligeiro corte por baixo do olho direito, vou cortar o cabelo à hora de almoço só para compor mais o cenário.

segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Do fim-de-semana...

- trrriiiimmmm, trrrriiimmmm (o meu toque nem é assim visto as modernices já terem chegado aos telefones fixos, mas imaginemos que sim, que é assim mesmo) - sim? - responde o grande lá de casa. - olá pai! - responde a filha que estava em casa dos avós. Não faço ideia do que falaram, mas a certa altura aparece a avó do outro lado da linha. - foram vocês que telefonaram? - pergunta a avó. - não, foi daí que ligaram - responde o pai. - então a Joana telefonou sozinha! - exclama a avó incrédula. Gente, é ter cuidado com os telefones. A miúda decorou o nosso número de casa [só de ajudar a avó a marcar o número] e telefona à mínima saudade.

Começou a semana...

e desta vez ficou o avô de prevenção para a eventualidade de ter de ficar com um, ou com os dois. Ele ainda não está a 100% mas já voltou à escola, ela deitou-se a queixar-se dos ouvidos e da cabeça mas acordou fina. Que bonita que é a chegada da Primavera...

sábado, fevereiro 14, 2009

Desenhos...

Estamos na fase das amibas. [mas adoro ouvi-lo a comentar os desenhos à medida que os vai construindo. A cabeeeça... Ojóoolhos... A bouuca... Os braaaaços... As péeeeenas... O cabeeeeeeloo...]

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Imagens dela...

aos sábados de manhã.

Fomos...

até ao hospital para me darem uma ajudinha a estabilizar-lhe a respiração. Já há muito que não precisávamos de lá ir, visto conseguirmos controlar-lhe as crises com a medicação em casa, mas hoje preferi que me validassem o que fazer pois não estava a ver melhoras. Chegámos, inscrevemo-nos e ao dizer o que nos tinha levado lá, pediram que aguardasse só um bocadinho mas que se o visse aflito não esperar que o chamassem e entrar. Agradeci a atenção e esperei, que não havia razões para entrar imediatamente. Não me importo de esperar, desde que seja justificável, o que me irrita mesmo é que enquanto uns esperam haja outros que usam as urgências dos hospitais (públicos) como consultório privado. Foi o que se passou hoje.

Enquanto eu e todos esperávamos, há uma mãe que chega com a criança e a inscreve. De seguida, a pessoa que a acompanhava pergunta-lhe, espantada, se vão ficar à espera ao que esta responde que não, que ia já telefonar à doutora. Pega no telemóvel e olhe doutora já aqui estamos, blá blá blá, sim, sim. Pronto, olhe, agora espere aqui que é para ir direita ao dois. E lá foi ela com a criança para sair passado algum tempo de receitinha na mão e toda feliz da vida. Cai-me mal esta mãezinha, mas ainda me cai pior a médica que tem esta postura. E se dos que me lêem haja quem tenha assim um médico porreiraço e aproveita, eh pá, no mínimo não telefonem para os médicos ao pé das outras mães com criancinhas mal-dispostas, pieirosas e febris, e que - espantem-se! - aguardam com mais ou menos calma pela sua vez.

Sexta-feira 13...

e eu fico em casa com ele. Já não sei se me irrita mais a chuva se este prenúncio de Primavera que dá cabo deles.

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

E a semana...

acabar à quarta? Também não parece nada mau, não é? Pois esta semana fizemos o pleno. Eu comecei à quarta e ele acabou à quarta. Hoje ficaram os homens de molho. [é uma mais uma crise respiratória...]

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Estou...

cheia de sono. [E tenho posts e posts, alguns deles com opiniões estruturadas e tudo, para escrever e não há tempo. Mas a miúda já "está fina". Começar a semana laboral a uma quarta-feira também sabe muito bem. O problema foi o vinho há hora do almoço. Já disse que o álcool dá-me sono?!]

Medo...

Os meus filhos já sussurram entre eles para fazerem asneiras mesmo nas nossas barbas. Ai as memórias que isso me trouxe... [os dois no carro, cabeça com cabeça, e ao banco da frente só chegava um surdo bzz bzz bzz intercalado por risinhos histéricos. Quando se fez silêncio, espreitei pelo espelho para ver o que aprontaram. Tinham riscado as mãos um do outro com marcador. Desculpem, tinham-se tatuado um ao outro. São tatuagens, mãe!]

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Do Carnaval...

Afinal acabei com uma índia e um pirata. Depois de irmos buscar o mano mais cedo, fomos os três ao hipermercado mais próximo para dar como resolvida a questão Carnavalesca. Foi rápida e indolor. A oferta era escassa o que facilitou a escolha, e assim trouxemos dois fatos - e baratos ainda por cima - que se revelaram a cara dos seus novos donos. Vinha com receio, por ambos os fatos serem para 4-6 anos, que o dele lhe ficasse assim a modos que grande, mas a verdade é que lhe está bem com o bónus do chapéu de pirata não lhe entrar na cabeça. Vai ser um pirata com um chapéu preso por elástico, mas giro que se farta na mesma. [e aqui fica mais uma foto-dica para quem gosta destas brincadeiras: www.poladroid.net Have fun! :)] [e sem me dar conta, já comprei o primeiro brinquedo-arma para ele... lá voltei a levar com o cuspo de quando dizia que queria manter esses brinquedos o mais longe possível no tempo...]

Brincar com plasticinas...

- mãe isto é um cérebro e isto é os intestinos onde fica guardado o cócó! [não era suposto fazer cestinhas com ovos e coisas assim?!]

A saga do dente desaparecido, parte 3

Acabei de encontrar o dente perdido! yeah! :)) As limpezas da Primavera já compensaram!

A modos que é assim...

vou ali inscrever a miúda no primeiro ano do primeiro ciclo e já volto. [ai!]

Quando...

ficam em casa a uma segunda-feira de Inverno com um filho de molho, e imenso trabalho para despachar no computador, qual é a primeira coisa de que se lembram de fazer, hum?! Aposto que limpezas da Primavera no quarto dos miúdos não é a primeira da lista, acertei?! Alguém me dê juízo por favor!

Não estava à espera...

de ficar em casa por causa de dentes a nascer aos cinco anos de idade dela, mas é um facto. Dois molares a romper - que crateras coitadinha - resulta em otites e dores de cabeça. É claro que não tem nada a ver uma coisa com outra... nada. É só mais uma coincidência. E entretanto toma lá mais um antibiótico que a coisa não está bonita.

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

Questões existenciais aos 33...

Para quando embalagens de 3/4 litros de leite do dia?! Hummm? [de Vigor é mais de um litro por dia... só para mim e ele. Adenda: E de leite de soja é praticamente um litro só para ela, porque ele (o mais pequeno) pouco bebe.]

Sempre...

que dão os parabéns no Canal Panda, é ouvi-la gritar: Quem é?! Quem é, mãe? Anda rápido! Era tanto assim, que até o mais pequeno já se adiantava: Quem é exta, mãe? Mas não sei se me custava mais ouvir aqueles pedidos que me faziam correr, se ter passado ouvir de vez em quando: Quem é mãe? Ah! É o João/Rita/Sofia/Mafalda... Eles têm mesmo de crescer, não é?

Factos aos 33 anos...

Mesmo com rugas, as borbulhas enormes (e nojentas) típicas da adolescência teimam em aparecer. E claro. Têm de aparecem sempre onde dão mais nas vistas. humpf

terça-feira, fevereiro 03, 2009

Neste momento...

o cinema onde fui pela primeira vez sozinha ao cinema está a arder. Nesse dia fui ver a Música no Coração com um colega da escola e íamos orgulhosos de nós próprios por nos terem permitido tamanha odisseia. O Centro Comercial Lido na Amadora já há muito que estava completamente abandonado, mas ver as imagens daquele local em chamas aperta-me o coração. Os gelados eram tão bons...

segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Estou a criar o homem perfeito*...

Ontem, estava eu a preparar o banho [leia-se parque aquático] para os dois e ele a despir-se ao meu lado tal era a ânsia de entrar. Apetece-lhe fazer xixi e depois de o anunciar, dirige-se para a sanita e: - levanta o tampo; - faz o seu xixi em bicos de pé [que figurinha gira]; - tira uma folha de papel; - limpa a pilinha; - limpa o assento [e aqui caiu-me o queixo]; - puxa o autoclismo e aprecia o espectáculo; - baixa o tampo; - lava as mãos no bidé. Isto é daquelas coisas que vão passar na (pré-)adolescência tal como o gosto que eles têm pelas limpezas, não é? Bolas. * ou estaria se não fosse a paixão que ele tem pelo futebol - olha mãe! olha o meu Pouto! - e eu já estar a ver a minha nora a queixar-se das vezes que ele vai jogar à bola por semana...

domingo, fevereiro 01, 2009

Domingo à noite...

O pai foi à bola e eu estou sozinha com os dois. Depois de sairmos de mais uma festa de anos, fomos às compras, por gasóleo (tudo sempre a correr lindamente) e por fim, brincar! A certa altura tirei a foto que espelhava a nossa noite.Até ao momento em que ele se passa e começam a chover bonecos em todas as direcções, e, começou o desatino. Entre a foto perfeita e este texto já ficou de castigo três vezes. A noite promete. Agora teria de escrever algo como: "Domingo à noite. O pai foi à bola e eu estou sozinha com os dois. AAAAAHHHHH!!!"

Não pára de chover...

e eu à primeira brecha escapuli-me ao jardim da frente munida de máquina fotográfica. A minha tia Celina, ofereceu-me uma estrelícia - uma planta ainda muito jovem - em Março de 2005. Desde aí vi-a a ganhar força em frente da minha janela da casa-de-jantar. Cresceu, cresceu, mas flor nunca deu nenhuma. Até esta semana, que lhe descobri uma a abrir e mais três a rebentar. Fiquei tão feliz!