quinta-feira, outubro 21, 2010

Porque às vezes penso nestas coisas...

Eu gosto muito dos professores dos meus filhos. De todos e de cada um em particular.

E não me posso deixar de sentir uma felizarda e agradecida ao mesmo tempo.


[pelo profissionalismo, pela atenção ao "eu" de cada um dos seus meninos, pelos valores que lhes incutem, pelo saber, pela diversão que lhes proporcionam, por estarem lá, por os conhecerem tão bem, por nos incluir (a nós pais e família), por tudo o que não me estou a lembrar de enumerar, mas principalmente, por os deixarem ser crianças sem esquecer o adulto que está a ser moldado (também) nas suas mãos]

13 comentários:

Ana Sofia Santos disse...

quando começarem a crescer..talvez a partir do quinto ano as coisas mudem :)
acho que cada professor continua a dar atenção, mas liga-se menos aos pais... penso eu (também depois são tantos)

Costinhas disse...

Espero que não mudem Ana :p

Mas se mudarem, o que disse mantém-se verdade e acho que devemos reconhecer o mérito a quem merece esse reconhecimento (mesmo que apenas uma deles - que eu saiba - o vá realmente ler)

Quanto ao número de professores, bom, o Miguel tem três e a Joana tem seis professores curriculares diferentes... acho que já são bastantes! :p

Rita (a minha pequena lua) disse...

eu tou contigo Sandra. A Joana tem 6 por causa das actividades iniciadas este ano e gostei de cada um deles, e ela, anda feliz, tanto, que só por isso, já vale a pena. eu tb espero que assim continue!

gralha disse...

Que sorte! Que sorte! Espero que os continuem a acompanhar nos próximos anos.

Luz de Estrelas disse...

Isso é TÃO importante que há mesmo é que agradecer. É uma segurança e um conforto maravilhosos. Tb deixo os meus na escola como se os deixasse na família. Gostava mesmo que assim continuasse no primeiro ciclo...

Sophis disse...

Tive essa sorte com o João. Espero que a Maria leonor tb tenha. No ano passado, o cliclo foi um balde de água fria. Mas já passou. bj

Helena Barreta disse...

Se eu tivesse que avaliar os professores do meu filho desde o primeiro até ao 12º ano, diria que houve 2 ou 3 maus, os outros, e foram muitos, eram bons e muito bons professores, atendendo a que a vida de professor já teve melhores dias e que nem sempre as condições são as melhores.

E as relações que mantive com os professores, mais centrada, obviamente, nos directores de turma foram excelentes. Se nós não nos demitirmos do nosso papel de encarregadas de educação os professores não só agradecem como retribuem a atenção.

Um beijinho

Ana Sofia Santos disse...

como disse a Helena quando chega a uma altura é mais com o director de turma. Mas na escola onde tive houve uma mãe que quis falar com todos os professores porque a filha se estava a desviar um bocado (normalíssimo pra zona onde estive).
Não mantive contacto com os pais, mas com os alunos sim, se um é operado tentamos saber se esta melhor ou não e assim. Agora com os pais as vezes é difícil ate pelo tempo que alguns prof´s passam na escola que as vezes é pouco

Costinhas disse...

Helena, é por achar que neste momento se critica mais do que se elogia os professores em geral que me apeteceu deixar também aqui (porque dizer-lhes a eles já disse e continuarei a dizer sempre que achar merecido) estas palavras de apreço.

Ana, claro que sim! mas isso também depende um pouco do funcionamento da escola. Por exemplo, eles mesmo tendo estes professores todos, eu falo é com as professora titular (no caso dela) e a educadora de infância (no caso dele), no entanto, ainda ontem estive na reunião dela e estavam presentes todos os professores para falarem um bocadinho sobre o seu plano curricular, a turma e responder às perguntas que pudéssemos querer fazer.

O quanto eles nos incluem no seu trabalho deles também é variável obviamente, mas por exemplo no primeiro ciclo, o de Ed. Física já nos propôs uma aula de pais e filhos e desafiou-nos para uns torneios (que tb vão ser feitos no 2º ciclo) e a de Inglês e de Expressão Plástica manda trabalhos de casa em que pedem a nossa colaboração.

Não é uma questão do quanto eles falam connosco (embora se mostrem disponíveis para falarmos com eles sempre que for necessário) ou que nos incluem no tempo de aulas, é mais nas estratégias que adoptam para nos motivar a colaborar com os miúdos nas suas tarefas escolares.

Bem sei que consoante eles vão crescendo a forma como nós nos relacionamos com a escola também vai mudando (e do pré-escolar para o primeiro ciclo já se sente uma diferença) e perdendo a estreiteza mas, neste momento o meu mundo é o pré-escolar e o 1º ciclo, e nesta fase, acho que quanto mais próxima for a relação família-escola mais os nossos filhos saem a ganhar :)

Helena Barreta disse...

Costinhas, tem toda a razão quando diz que os nossos filhos saem a ganhar se a relação família-escola for próxima. Só depende de nós que assim seja e que perdure muito além do 1º ciclo.

Também eu aqui deixo um elogio a todos os professores que passaram pela vida do meu filho e contribuiram para o aluno que ele é hoje.

Um beijinho

Liliana disse...

Boa noite, como professora (não destes meninos) que sou senti-me muito reconfortada com estas palavras de apreço para com os professores. E agradeço por isso. De facto, também eu, na minha escola, gosto de envolver os pais na educação dos filhos, pois acima de tudo também sou mãe. É pena nem todos os pais corresponderem da mesma forma e haver quem sempre ache que cada vez que os convidamos a ler uma história para a turma, eles acham que não têm de o fazer porque estarei a demitir-me das minhas funções... É muito difícil encontrar um equilíbrio... Uma conclusão (e como mãe professora escrevo): os pais são muito complicados! :)

Costinhas disse...

Liliana, os pais são complicados sim :)

mas nunca deixe de fazer o que faz, porque há com certeza muitos pais que,lhe agradecem essa participação :) beijinho

Soph disse...

BABA! :P