sexta-feira, outubro 15, 2010

Quando nos dotaram da capacidade de amar incondicionalmente...

podiam ter facilmente adicionado ao pacote a capacidade de encontrar nas birras matinais-sem-sentido-mas-altamente-sonoras-e-irritantes uma qualidade relaxante.

Mas não. E todos os dias, todos os santos dias, eu sinto a falta da segunda.

Se não fosse a primeira, puto estavas tramado...

8 comentários:

Dorushka disse...

Caramba que é mesmo assim que eu me sinto! Ainda hoje tive que inspirar fundo e invocar toda a paciência do mundo quando o mais novo acordou com uma birra dos demónios e a gritar de tal forma que até parecia que eu o estava a espancar! Felizmente, passou depressa.

Tita disse...

ahahahahah tu não me digas nada!! Que por lá a sardanisca é tal e qual! Um dia destes perco a paciência! Hoje o pai ria-se quando me viu a contar até 5! Mas isto está pelas costuras! É birra para tirar pijama, é birra para calçar as meias, é birra para lavar cara é birra para tudo! Mãe sofre!!! E quando se lembra de ir com as unhas à minha cara??
A minha primeira foi/é uma santa!!

:S Dai-me paciência! Muita a todas nós mãezinhas!

Luz de Estrelas disse...

Cá em casa as maiores birras são à noite. E é o grande que as faz porque já não dorme a sesta e vem cheio de sono.

Helena Barreta disse...

Ai, Miguel Miguel, deixas a tua mãe à beira de um ataque de nervos.

Bom fim de semana

Um beijinho

Monica disse...

Matinais e do lusco-fusco... c'a nervos! :D
Beijocas

Mae Frenética disse...

Ahahahahahaah!! Estou solidária!!

Palavras disse...

uii birras tu nem me fales, há dias em que são do pioriooooooo.
Mas quem é que inventou isso?!

Miduxe disse...

Que bom que foi ler este post...tranquilizei-me,afinal não é só comigo.
Obrigada