quinta-feira, dezembro 02, 2010

Da maternidade...

Um comentário da Pirulitos fez-me pensar nisto e não queria deixar de registar aqui algo em que nunca tinha pensado ou, pelo menos, a que nunca tinha dado importância.

O meu amor por eles cresce aos soluços. Pode estar a ser um dia completamente normal, onde nada se passa ou simplesmente se passa tudo o que é para nós rotina, e de repente, há algo que eles dizem, algo que eles fazem, algo que lhes descubro, um ar, um trejeito, uma parecença e aí, bem dentro de mim há algo que se revolta num turbilhão. Uma paixão que surge ali mesmo. Que me faz descobrir ainda mais apaixonada por eles. E nesse momento, é um frenesim tão grande e tão bom cá por dentro que só sou capaz de os abraçar, apertar e dizer o quanto gosto deles.

Coisas de mãe tontinha. Ou de mãe, pronto.

10 comentários:

Crente disse...

O amor de mãe (e de alguns pais) é lindo. Não poderias ter descrito de melhor forma... :)
Beijos de mãe para mãe

Madame Pirulitos disse...

Como referi, sinto a mesma coisa. Não sei se para algumas mães isso não pode é ser admitido, como que significando que se nos apaixonámos hoje um bocadinho mais isso significa que ontem era um bocadinho menos.

Ainda bem que te fez pensar. Os posts que mais me atraem são aqueles que nos fazem pensar, que nos fazem querer escrever sobre isso.

(se quiseres podes dizer que foi no meu. Não perdes leitoras por causa disso!)

:)
Beijos

Costinhas disse...

Aqui não se escreve a pensar se se ganham ou perdem leitoras :)

Não pus nome porque não é público. Só por isso.

Madame Pirulitos disse...

Eu sei. E estava a brincar contigo capicce?

Bolas que não digo mais nada hoje:)

Helena Barreta disse...

É mesmo isso, Costinhas. E não, não me parece que seja uma mãe tontinha, mas se for, eu também sou.

É que se há sentimento que caracteriza o amor que tenho pelo meu filho é viver apaixonada por ele, dar-lhe beijos até ele se cansar e levantar a cabeça (devido à altura dele em relação a mim, se ele não se dobrar só lhe chego ao peito) e dizer-lhe, todos os dias, que o amo de paixão e que tenho muito orgulho em ser sua mãe. Sou uma lamechas, portanto. E beijoqueira.

Helena Barreta disse...

Adenda ao meu comentário: é só para dizer que não ignorei a tua sugestão de nos tratarmos por tu, mas a força do hábito, ainda permaneceu.

Um beijinho

Costinhas disse...

hehehehe Helena, na boa :)

Mãe(q.b.) ao quadrado disse...

ai mulher q tu agora é q escreves-tes tudo :D é tal e qual, ando numa de estrafuga-los por tudo e por nada tal é os "soluços" de paixão que me dá :D

jocas

Margarida Atheling disse...

Disseste tudo; coisas de Mãe!!!
Bjos!

Monica disse...

De Mãe, mesmo!
É que é mesmo assim :)
Beijocas