segunda-feira, janeiro 24, 2011

Saudades, ou talvez não...

Antes de irmos, ele contava os dias que faltavam para ir com a irmã para a casa dos padrinhos com uma ansiedade desmedida.

Durante a nossa ausência, mal quiseram falar connosco (e ao preço das chamadas convenhamos que até deu jeito :p).

Quando chegámos, não nos foram buscar ao aeroporto e a primeira coisa que ouvimos dos dois - depois do abraço e do beijinho - foi:

- podemos ficar até ao fim da festa?

E sumiram-se, quase sem darem tempo para responder.

[mas depois de voltarmos para casa nunca mais nos largaram e hoje, quando o deixei na escola, houve dose reforçada de beijinhos e abraços à porta da sala]

7 comentários:

A mãe que capotou disse...

Comigo foi quase a mesma coisa e estive fora quase 2 semanas e são mais pequenos que os Costinhas Jr.
Se estão bem e se sabem onde estamos e que voltamos (espero que esta parte seja importante...) tudo corre bem. Agora é repetir !!

Luz de Estrelas disse...

Eles são mais práticos na gestão de sentimentos. Primeiro divertiram-se, depois mataram saudades. LOL

Tita disse...

E esses abraços quentinhos, chegam-nos sempre até à alma! Uiii que eu gosto tão pouco :P

Eu disse...

:D Concordo com o que disse a Luz!

Beijinhos

kombi disse...

imagino o quato seja bom sentir essa independência por parte dos filhos e dos pais, por aqui já vamos ficando mais desagarradas.

Helena Barreta disse...

Acho que as saudades batem mais nos pais do que nos filhos.

Bem vinda de volta.

Beijinho

Maria disse...

Eles são uns queridos! :)

Bem vinda de volta!