terça-feira, maio 03, 2011

Olha... fiz um destes para mim!

Em Março, recebi um email simpático a oferecer-me um livro foto espiral para ficar a conhecer - e dar-vos a conhecer - a Photobox e os seus livros de foto digitais.

Os livros de fotografia digitais são como os álbuns de fotografias digitais mas com a diferença que têm páginas finas como as de um livro. Este que me ofereceram, em vez de lombada tinha uma espiral o que por um lado torna o livro muito mais fácil de folhear mas, simultaneamente, menos resistente ao manuseamento intensivo.


Aceitei a experiência justamente para poder dar-vos a minha opinião sobre os mesmos e porque é muito difícil encontrar livros com boa impressão offset (saber mais).

Uma coisa da qual não sou fã é ter de editar o livro todo online, ou seja, não é possível editar o livro no computador e quando estiver pronto enviá-lo para impressão. Estamos sempre dependentes da nossa ligação à internet para o fazer e obriga-nos a ter alojado num local que não controlamos as nossas fotografias. No entanto, antes assim do que só terem software que funciona em Windows e que impede os utilizadores de Mac o acesso ao serviço.


Habituada a paginar tudo no Photoshop, há poucos softwares destas empresas de impressão de álbuns que a nível de paginação me encham as medidas. Podia ter feito a paginação toda em Photoshop e adicionar depois as imagens já prontinhas, mas a ideia era justamente experimentar o serviço para vos poder dar a minha opinião sobre o processo do início ao fim.

A maioria destes softwares limita a possibilidade de alinhar todas as imagens com precisão e este peca justamente por isso. Isso combinado com a impossibilidade de maximizar a visualização das páginas que estamos a criar, levou-me a um estado de comichão instalada que tive de combater.


No entanto, para quem se quer limitar a escolher as fotos e deixar que o software decida como as distribuir, é um instantinho e o trabalho é só mesmo o de escolher as fotos, carregar e verificar se gostamos da paginação automática ou não.


Quando recebi o livro, percebi que algumas alterações que fiz às páginas pre-construidas pelo programa resultaram em imagens não alinhadas entre páginas e isso chateou-me porque não há forma de o sabermos antes de recebermos o livro e eu tenho aquele olhinho clinico que apanha estas falhas por mais mínimas que sejam. As páginas abaixo foram um dos testes que fiz ao alinhamento entre/nas páginas.


Além disso, não estão previstas margens de segurança e podem ocorrer cortes não previstos e que podem alterar por completo o aspecto final, como é o caso da página da esquerda na imagem seguinte em que se perdeu a moldura negra em três dos quatro lados.


Outra situação menos positiva, é o facto de estarmos limitados às cores disponibilizadas pelo programa para o fundo das páginas, e isso não me permitiu, nesta página que mostro em seguida, camuflar as uniões das imagens à margem que queria deixar entre elas.


Gostei muito das fiabilidade das cores impressas em relação aos originais. Achei mesmo que este foi de todos os livros digitais amadores que já fiz aquele que melhor correspondeu numa primeira encomenda. A qualidade de impressão também é muito boa e isso deixou-me impressionada.


Com o tipo de letra que escolhi para o livro, a pre-visualização do aspecto final do livro também não corresponde ao que estamos a ver no programa de edição e isso pode deixar-nos um pouco em dúvida entre o que é que vamos receber em casa. Eu optei por esperar para ver, e a letra veio igual à escolhida no modo de edição.

Quando cheguei à última página fiquei um pouco desiludida porque não nos permitem modificar a sua paginação e tem os chatos dos códigos e código de barras, que voltam a ser repetidos na contra-capa.


A paginação da capa e a contra-capa também está limitada aos modelos incluídos no programa o que também limita bastante quem quer ter o controle absoluto do livro do início ao fim, mas tem variedade suficiente para agradar a gregos e a troianos.


Resumidamente, se não são dos que querem mexer nas paginações modelo e querem um livro rápido de fazer, com boa impressão a um custo mais razoável, então esta é mesmo uma boa opção.

Para conhecerem melhor a Photobox, líder europeu da revelação online de fotos, visitem o seu site em www.photobox.pt e aproveitem as promoções que eles têm neste momento.

Se quiserem mais algumas dicas e conselhos para a elaboração dos vossos próprios álbuns/livros de fotografias digitais podem ler o meu Tomem Nota #2 (rubrica que não consigo manter como desejaria com muita pena minha).

E eu, bom, ainda não foi desta que tenho um livro deles para mim. Mas em compensação há uma avó que ficou toda babada no passado domingo...

11 comentários:

Susie disse...

Parece estar espectacular. é verdade que o trabalho da fotógrafa ajuda bastante ;)

Helena Barreta disse...

Tenho quase a certeza que esse vai ser O Livro de cabeceira da Avó.

Fiz um primeiro livro tipo destes, quando o meu filho terminou os 4 anos da primária, já lá vão 10 anos. Digitalizei as fotos (na altura ainda não eram digitais), diplomas, medalhas, recados, desenhos, textos, tudo o que estava relacionado e que guardei durante aqueles anos. Não usei nenhum software, fui eu que o montei - a única regra que segui, e como se tratava de uma fotobiografia, foi seguir à risca as datas e no fim cosi-o, sim, com linha e agulha. Gostei tanto de o fazer à minha/nossa imagem que nunca mais parei. Terminei por estes dias, a Fotobiografia Desportiva 2º Semestre 2010. Os meus livros não ficam perfeitos, têm falhas e gralhas, mas tenho muito orgulho neles.

Beijinho

Estrela do Mar disse...

Visto de alguem que não percebe nada de fotografia parece-me fantastico!

Ana Sofia Santos disse...

alinhar no photoshop??
bem também não me parece o local correcto. Penso que devias dar uma vista de olhos no InDesign, que é o sitio mais correcto.
Não li tudo, porque livros com argolas? Nem pensar

Costinhas disse...

então é melhor leres Ana :)

E sim, Photoshop é um local correcto. Tudo depende do que estás a fazer.

Mónica disse...

Que espectáculo!

Ana Sofia Santos disse...

Sim, mas pra paginação o Indesign esta mais adaptado.
Depois li, não me convence...opa as argolas usava-as no secundário hehe

Costinhas disse...

Foi oferta Ana, eu não pude escolher entre com ou sem argolas.

E volto a dizer que para a paginação de álbuns fotográficos profissionais com edição simultânea de fotografias, o Photoshop é mais indicado que o InDesign.

Ana Sofia Santos disse...

Olha que não.
Photoshop serve como tratamento de imagens, editar e depois de estar pronto o Indesign para a paginação da mesma (é como fazer vectoriais no photoshop). Mas pronto é minha opinião :)

Rita (a minha pequena lua) disse...

nós costumamos fazer alguns livros desses mas não é com este programa que referes. a ver se vejo em casa qual usamos e te digo. mas já fizemos pelo menops uns 7 que me lembre e olha que têm saido muito bem, mesmo nas margens, cor qualidade de impressão... temos ficado muito satisfeitos. mas é daqueles em que tu é que compões à tua maneira e no final, tens de enviar para eles imprimirem e depois mandam-to e vais levantar a encomenda...

sofia disse...

Obrigada pela opinião
Por cá ainda só experimentámos o hoffmann e sentimos o mesmo relativamente ao alinhamento das imagens, mas ponto... podíamos sempre escolher montar tudo em photoshop e submeter como imagem única, mas assim não testaríamos o software
Aquilo que posso dizer é que esse álbum tem fotos de fazer inveja :)