segunda-feira, novembro 28, 2011

Recebi a informação sobre o corte do próximo mês...

e nesse momento conclui que ter ensinado ao miúdo a escrever cocó quando ele me mostrou isto foi uma lição mais útil do que imaginava*.

Filho, escreve lá a nova palavra para os senhores do governo, escreve lá. É o que merecem meus amigos. É o que merecem.



além de que tem o seu quê de divertido observar a reacção de família e amigos quando ele os deslumbra com o talento adquirido

11 comentários:

Mónica disse...

:D
(bah! para os cortes no subsídio...)

Rita (a minha pequena lua) disse...

nem me digas nada Sandra. eu fiquei fula ao ver o valor absurdo em descontos este mês... :(

Helena Barreta disse...

É mau, muito mau mesmo.

Ana disse...

Ai, enquanto não nos obrigarem a pagar sobre o sentido de humor é o que nos vai valendo. :D

akombi disse...

Não me levem a mal, mas tudo é uma questão de hábito e de saber gerir, por aqui NUNCA houve qualquer subsidios, nem feriados ou lá essas coisas que fizeram as pessoas mal habituadas, desculpem novamente, mas aqui sepe soubemos gerir a vida com a crise que agora tanto se fala.

Os empregados nem imaginam o quanto os patrões pagam por essas ditas regalias, o quanto se tem que saber gerir tudo de forma a contornar as adevercidades, mas não o empregado só vê o "tenho direito" .

è certo que é de revoltar tudo que se passa na foma como os nossos governantes e outras entidades estatais geriram o nosso dinheiro ( sim que descontos bate a todos) mas não é nada que me surpreenda, estamos a passar o merecido, dexamos chegar a onde conseguimos,

Por aqui não há cortes porque tb nunca houve quaisquer regalias, vivesse com aquilo que se vai ganhando....e não se vive mal....por agora pq o futuro procupa-me mto, pela minha velhice ( e idosos), pelas minhas filhas
( e jventude....que aqui tb assusta olhar para os jovens e imaginar os futuros lidres de Portugal).

Costinhas disse...

Akombi, o problema é que o subsídio de natal não é nenhuma regalia. É um direito que te assiste enquanto trabalhadora de outrem e para mim, o subsídio é parte integrante do meu vencimento anual, tal como o subsidio de férias.

Não me estão a tirar nenhuma "benesse" e eu tenho a minha vida planeada de acordo o meu vencimento e não acima dele.

Conheço muitíssimo bem o lado do patrão, assim como conheço muitíssimo bem o lado do empresário em nome individual, até porque tenho as três realidades na minha casa, e, eu sempre soube gerir a minha vida financeira muito bem. Talvez por isso não sinta a crise da mesma forma que infelizmente muita gente sente, mas mesmo não vivendo mal, não posso deixar de me revoltar com a situação, especialmente em relação aos menos protegidos.

Portanto, agora sou eu quem te peço desculpa mas essa do ai e tal, se nunca o tivessem recebido não lhe sentiam a falta e tal, não faz sentido nenhum. É simplesmente o tipo de discurso que eles têm vindo a inflamar com estas medidas e acaba por virar cidadãos contra cidadãos o que é no mínimo idiota, porque devíamos estar todos unidos na revolta e na injustiça.

O que vai acontecer a partir de agora, para os empregados por conta de outrem e porque eu não acho que os subsídios voltem mesmo, é que se vai passar a negociar o valor bruto de ordenado anual ao invés do vencimento mensal, como acontecia até aqui.

E eu estou a colher o que eu não semeei, pois sempre honrei os meus compromissos fossem eles de que espécie fossem e a nível fiscal agi sempre segundo as regras.

akombi disse...

Desculpa não concordar pois acho que tudo o que é subsidios são regalias e não direitos...vemos por outros paises que não os têm...é como o subsidio de desemprego há algum país da UE que vivia os meses que se vivia antes da realidade crise...na Alemanha seja qual for a idade ou rendimentos é só 3 meses...ok a Alemanha têm vencimentos mto superiores....só acho que os subsidios habitua-nos a ser-mos o povo que somos sempre há espera e não fazer nada e sempre a reclamar.....os dinheiros dos subs tem que vir de algum lado..e não vem da produtividade do empregado....nem imaginam a despesa que um empregado dá ao patrão, e o patrão sem quisquer regalias e ainda é apelidado do rico do que recebe os lucros.

Após o 25 de Abril foi-nos dados mtas coisas que não soubemos gerir.

O final dos anos 80 e até 98, altura da famosa Expo que já nos estava a levar á banca rota mas que mtos achavam que era a altura da "galinha dos ovos de ouro"....e com a entrada do euro mais ilusões e cada vez mais alienados da realidade, e agora pimba abrimos os olhos e só sabemos dizer mal de tudo em especial dos governantes que nada mais são "construções" nossas.

Desculpa mais uma vez a minha sinceridade, mas faz-me confusão o povo estar sempre a reclamar, mas faz parte de nós portugueses.

sbn disse...

como disse no meu cantinho, estas medidas à medida do tipo de cidadão só servem p/ uma coisa: gerar a discórdia, a incompreensão mútua, a animosidade. e enquanto andamos entretidos nisto de "ai o meu cinto está mais apertado que o teu", os poderosos (governantes, "lobyistas" ou lá como se diz, gente da alta finança, mega-empresários, etc) aproveitam a nossa distracção e continuam a "governar-se" c/ o nosso dinheiro, em vez de arranjarem soluções efectivas a longo prazo.

é altura de pararmos de comparar o tamanho das pilinhas, e estarmos atentos ao que será feito c/ todos os milhões que nos estão a sair do bolso.

ass: alguém que nem sequer recebeu salário o mês passado, p/ ajudar a empresa do marido a atravessar mais calmamente um mês particularmente atribulado.

tenho dito. :-P

sbn disse...

P:S: o link p/ o meu post sobre o tema: http://snapshotsabouteverything.blogspot.com/2011/11/sobre-greve-geral-e-outras-coisas.html

P:P:S: "lá fora" onde n há "subsídio" de Natal, esse $ já está incluído na remuneração anual do trabalhador. e "lá fora" o salário mínimo anda pelos 1200€ e não pela miséria que temos cá dentro...

Costinhas disse...

Pimenta nos olhos dos outros é refresco. e é tudo o que tenho a dizer sobre isto.

Paula disse...

Eu também me habituei a viver de acordo com o meu redimento anual. Sim, graças aos subsídios até consigo ter uma poupança... Os subsídios são um direito. No próximo ano terei de gerir um orçamento com menos 2000€ no bolso e no seguinte a mesma coisa e vai fazer muita diferença. E há casos bem piores. O facto de não termos algumas "regalias" não deve fazer-nos esfregar as mãos de satisfação por ver os outros perdê-las. É ridículo pá! Devíamos remar todos no mesmo sentido. Desculpem lá qualquer coisinha mas esse tipo de comentário aborrece-me.