quarta-feira, maio 16, 2012

Eu não choro...

Perdi a capacidade de chorar há muito tempo e as poucas vezes que chorei nos últimos doze anos foi sempre em situações limite. Poucas portanto, pouquíssimas, que se contam pelos dedos de uma mão (e ainda sobram dedos provavelmente).

Hoje tive pena de não saber chorar. De não conseguir mostrar também dessa forma o quão emocionada estou com o que se aproxima, com o que vivemos hoje, com o que experimentámos nos últimos seis anos. Hoje, enquanto abraçava a Sofia no final da nossa reunião de pais, a educadora que nos ajudou nestes últimos cinco anos a fazer os nossos filhos as crianças que são - e a cimentar as bases dos adultos que irão ser no futuro; a amiga que fiz para a vida, e, a nossa fonte de inspiração para tanta coisa que não só a educação dos nossos filhos, hoje, enquanto lhe apertava os soluços com o peito e lhe apanhava as lágrimas com os ombros, eu queria ter chorado. Queria, mas não o sei fazer.

Queria ter chorado, porque não tenho palavras para descrever o quanto ela é importante para nós, o quanto todas as pessoas que formam a família do colégio são importantes para nós, o quanto o colégio se tornou uma casa para nós.

Não tenho palavras suficientes nem lágrimas para mostrar que eu também não sei lidar com a despedida final. Que não sei dizer adeus. Que não tenho forma de agradecer tudo o que foram, são e irão certamente continuar a significar para nós.

Hoje tive pena de não saber chorar porque se chorasse era mais fácil mostrar que eu também estava (estou) assim, frágil. Mas não choro, e sorrio, e fico ali a dar força enquanto o meu coração transborda com tudo o que eu sinto por esta família.

Eu gostava de chorar porque assim não precisava de escrever. Mas não consigo.

21 comentários:

Luz de Estrelas disse...

Tu só não choras com lágrimas. Choras com abraços e sorrisos.

Diana Bento da Silva disse...

Beijo enorme!!

Rita disse...

O importante é que transborde tudo cá para fora, seja de forma for. Com sorrisos e abraços parece-me muito bem :)

Ana disse...

Por ter acompanhado essa vossa de experiência um bocadinho de perto (uma ínfima parte, eu sei), podes dizer à Sofia que eu seria capaz de ir morar para Lisboa só para a ter como educadora dos meus filhos. Sem hesitar.

Não vão ser fáceis, estes meses, mas a certeza de que o Miguel, a Joana e todos os outros meninos que tiveram o privilégio de crescer com essa família todos os dias, vão guardar tudo o que viveram no coração, Não tenho dúvidas. Como não tenho dúvidas de que o privilégio é reciproco e que é nessa partilha que esses laços tão fortes se criaram.

Pode parecer exagero mas se a grande maioria dos educadores e professores tivessem o que o Miguel e a Joana tiveram, o mundo seriam um lugar infinitamente melhor e mais feliz.

(para a Sofia, obrigada por me ter ensinado tanto a mim também , mesmo ao longe e sem nunca nos conhecermos! :))

Mae Frenética disse...

Quando ja se chorou por verdadeiras despedidas aprende-se q as lagrimas nao trazem nada de volta. Nem lavam a dor.

É como diz a Luz, chora-se com abraços e sorrisos a esperança que resta.

Soph disse...

*

Tita disse...

Admiro-te... já eu sou chorona por tudo e por nada. Até coisitas banais!
No domingo estava a minha sobrinha a entrar na igreja para ser batizada e a Tia a mijar pelos olhos :S, até a ver os bonecos, alguma coisa mais sentimental e eu mijo logo pelos olhos... ás vezes é muito constrangedor acredita.

Sofia disse...

A "mãe frenética" disse tudo...

Um beijinho grande para ti.

Sofia

luz-estelar disse...

consegues, sim. consegues chorar, se te capacitares que consegues. mas, como disse a Rita, o que importa é transbordar tudo cá para fora e tu conseguiste com as tuas palavras, com as emoções nas letras todas.
tu comoves-me, pronto. ando-me sempre a meter contigo e depois comoves-me. :))
beijo grande,
joana

Helena Barreta disse...

Viva a Sofia e todas as Sofias a quem nós confiamos os nossos meninos; viva a Sofia e todas as Sofias que ensinam os nossos meninos a pensar, a questionar e lhes transmitem o melhor; viva a Sofia e todas as Sofias por lhes darem, todos os dias, as ferramentas essenciais e uma boa "bagagem" para a caminhada que têm de fazer.

Um beijinho

Graça disse...

A Soph estará sempre nas vossas vidas :) :)
***

Mãe ao quadrado disse...

Mas o que escreves aqui tb são 2lágrimas sentidas" e acredito que aqui sim descreves tudo o quanto sentes!

jokas

akombi disse...

A vida ensino-me a não chorar e tb para mi é-me dificil mesmo que esteja apertada por dentro, despedidas custam sempre mas fazem parte da vida, fazem-nos crescer, e se fica a amizade não á despedida, o que existe é um transitar de vida, é o crescer.

Tem-me feito confusão ver em alguns blogs essa despedida de final de ano, mas ainda falta um mês para terminar as aulas!

Mamuska disse...

Sem duvida algumas que as tuas palavras mostram grande sentimento...e acabei eu a chorar...beijos

Luz de Estrelas disse...

Mi quê por onde, Tita? :DDDDDDDDD

Costinhas disse...

Tita mijar pelos olhos faz bem ;) lava a alma e tira peso de cima. Nada de constrangimentos (além de que da sempre boas fotos nesses momentos :p)

Beijos a todas. (vocês são especiais e eu uma sortuda)

Helena disse...

A Sofia é uma pessoa muito especial... só a conheço pelo computador e dá para perceber, nem imagino a sorte que quem a conhece pessoalmente e convive com ela diariamente tem, não dá para imaginar! A Joana e o Miguel (e vocês pais tb) vão ser pessoas melhores por terem tido a Sofia na vossa vida. Muitos parabéns Soph!!! E parabéns Miguel por esta etapa tão importante concluída *

Monica Lourenço disse...

Também estou quase a despedir-me da nossa família do colégio deles.
Mas eu choro... (sou uma "mijona" :D)
Um grande beijinho.

inesn disse...

Pois eu gostava de não chorar nessas situações...porque acabo por não conseguir dizer o que sinto.

aliás, detesto despedidas e se puder não serei eu a ir buscar os meus miúdos no último dia de aulas...depois, por escrito, logo me despedirei e agradecerei tudo.

Para ti e para a Soph, um grande beijinho!

Smas disse...

Como eu te percebo...
(nem no funeral da minha avó consegui chorar e era a pessoa mais importante para mim além dos meus filhos...)
Bjs

Cris disse...

Faço minhas as palavras da Helena e da Ana. Diariamente acompanho aqui os pequenos grandes passos da Joana e do Miguel e um pouco mais à frente acompanho também o dia-a dia da GRANDE Soph. Que sorte a vossa por a conhecerem e por a terem como educadora :-)))