segunda-feira, novembro 08, 2010

Mãe prossegue compras enquanto arrasta numa perna criancinha aos berros...

Este podia ser o título de um feed nocturno de um qualquer jornal da praça online (já que agora tudo é notícia mesmo o que de notícia não tem nada).

Imaginem portanto, uma mãe e duas criancinhas num final de sexta-feira numa conhecida grande superfície comercial.

Começa por correr tudo bem. A mãe e suas crias acompanham a mais nova a cortar o cabelo num cabeleireiro de crescidos. A cabeleireira, quando percebe que ia cortar o cabelo a uma criança de quatro anos àquela hora, revira os olhos como quem diz: oh que miséria de sorte que eu tenho!, mas a partir do momento em que viu que a criatura era totalmente cooperante, começou a desfiar um rol de elogios só comparável ao de uma mãe embevecida.

Saem do cabeleireiro com a cria mais nova a ostentar uma semi-crista empastada em gel e um orgulho desmedido no coração da progenitora. (atenção que a fraca referência à cria mais velha nesta notícia deve-se ao facto de ela ter permanecido um elemento basicamente decorativo no desenrolar da história)

Jantam num dos locais favoritos da criançada (com a mãe a ir buscar o seu jantar à concorrência) como prenda de bom comportamento e no final vão comprar o leite que se tinha acabado em casa e absolutamente essencial para que o soninho venha depois da história.

Tudo perfeito até aqui. A-té a-qui.

Saem do elevador e a criatura da crista vê uns relógios às cores na montra de uma sapataria. Quer porque quer os relógios. A mãe, pouco habituada a ouvir este tipo de exigência dos filhos, explica que o relógio é oferta de determinados ténis, desvaloriza a demanda e pensa que se calhar até é de aproveitar entrar na sapataria para comprar uns sapatos ao filho. (ideiaidiotacomoseveioacomprovarlogoaseguir) Mãe entra, filhos seguem-na, mãe pesquisa a oferta e o filho aparece-lhe com os tais ténis que ofereciam o relógio acabadinhos de sacar da montra. Pronto mãe compramos estes!

Mãe em choque, lojista com ar de enjoo e a criança lá vai pôr os ténis no sítio contra a vontade enquanto a mãe diz boa noite e se apressa a sair porta fora, com a criança decorativa e a criança que a acusa de má e que ameaça não gostar mais dela.

Pronto, é o sono. Vamos lá comprar o leite e desopilar daqui para fora.

Entra-se na grande superfície horas antes de começar uma mega campanha de 50% de desconto em brinquedos e o que é que se vê por todo o lado?! Pois.

A criança que chegou ali a exigir o relógio de borracha calou-se com a visão. Mãe inspira e avisa: meninos, eu não vou comprar brinquedos nenhuns. É para irmos buscar o leite e ir embora. Se quiserem ver tudo bem, mas eu não vou comprar.

bem, disseram eles. A mãe avança orgulhosa. (ainocênciamaternalàsvezesétãoparvinha)

Para vos poupar os ouvidos à birra (ou os olhos neste caso) digamos que a criança mais nova birrou suficiente alto e durante o tempo suficiente para ser ouvida em toda a loja enquanto agarrava e exigia (!) um camião do faísca mcqueen, e, que tanto a mãe como a cria decorativa esperavam, no meio do primeiro corredor central e em silêncio, que a dita acabasse. Finalmente aceitou, muito contrariado e com a t-shirt encharcada de lágrimas, voltar a pôr o camião na prateleira e seguiu agarrado a uma das pernas da mãe (que procurava apoio no carrinho das compras) em busca da promessa que ela o comprasse no dia seguinte, até ao corredor dos leites

A promessa não chegou e o espectáculo - embora fosse diminuindo de intensidade - durou basicamente até mãe e crias chegarem à caixa. Acabou definitivamente quando a mãe acedeu em comprar-lhes uma embalagem de pastilhas que trazem tatoos.

A mãe aprendeu a lição. Tal como nesta história, nunca mais vai desvalorizar os pré-avisos dados pelas suas crias. Isso e nunca mais vai deixar acabar o leite em casa nem se deixar entusiasmar com os elogios de lojistas. Não preciso de terceira, sim?! Ficamos bem assim.

17 comentários:

Célia disse...

Realmente a inocência maternal está em alta.... :P

Mamuska disse...

Ai meu deus...o que me espera...lol

Monica disse...

LOOOOOOOOOOL
Lindo... como te compreendo :D

Madame Pirulitos disse...

ahahahahahahahahaha

estou-me a rir não com a tua desgraça mas por me ver tão bem representada nela.
Durante um tempo, quando o mister birras era pequeno (o mister birras cá de casa é o do meio, que faz birras até hoje), eu achava que eles tinham que aprender a comportar-se nesses sítios, custasse o que custasse. E passei por algumas, nomeadamente trazer do continente uma colher sem pagar, que ele brincou até à exustão e depois atirou para dentro da minha mala sem eu ver. Sim, porque Mister Manel não era tanto birras por causa de brinquedos... era por qualquer coisa que lhe chamasse a atenção, como uma colher.
então finalmente percebi que era um suplício para eles irem às compras e passei a mandar o pai sozinho, que lá foi resmungando mas que no final até agradece, porque é mais rápido e não tem que aguentar aquele frete tanto tempo, e porque pode comprar tudo marca branca sem eu espingardar que naquelas bolachas preferia mesmo as originais:)
os filhos agradecem porque olhos não vêem coração não sente, ou dito de outra forma, não se lembram dos brinquedos e ficam em casa a ver televisão ou a brincar nas consolas:)

Nota: Bom, eles agora já vão e já se portam melhor. agora andam é mais a correr pelo hipermercado e a brincar às escondidas lá dentro, etc, etc.

Costinhas disse...

Pirulitos e sobre a tua note: vai ler o post que "linko" neste texto :p

O mais engraçado é que os meus são mesmo porreiros para se levarem às compras porque nunca (ahahaha e esta foi o quê?! :p) fazem este tipo de cenas, daí o meu espanto com as suas exigências.

A questão no Miguel é que ele com sono torna-se o maior birrento que existe. Neste caso foi com um brinquedo mas podia ter sido muito bem com um iogurte ou até uma colher! :p

A culpa desta cena é, no fundo, minha que depois de uma semana de aulas e actividades os arrastei para ali e fui esticando a corda :)

A mãe que capotou disse...

E eu aqui a basear toda a educação minuscular parte "brigada anti-pedinchamentos", no teu exemplo e quase a fazer um post à blogosfera inteira, tipo "ponham os olhos nas costas" (referência obvia a ti) e depois isto (comoàsvezeseusoutãotansavirtualmentefalandoclaro) Tss, tss, tss...

Ficou cientificamente provado que os teus filhos não são robots. Até eu, essencialmente quando estou com sono, faria birras se tivesse que ir ao Continente e não me deixassem trazer dop de leite condensado ! Um bocadinho de coração Costinhas !

(assim de repente não me ocorre nenhuma equação matematica, desculpa)

Costinhas disse...

desculpa! desculpa falhar-te desta maneira, capotada!

eu vou penitenciar-me juro. vou mesmo. é só encontrar uma forma.

(esquece a matemática, olha onde ela me trouxe!)

Crente disse...

E ando eu a pensar fazer outro mister/miss... Vou refazer as minhas contas e já volto.

Luz de Estrelas disse...

Levaste o Bi a um hipermercado, foi?

Maria disse...

LOL!!!

As birras e as más noites são as responsáveis pelos meus momentos muito poucos maternais.

É aguentar! É aguentar!

:)

Luisa disse...

6ª feira também passei pelo hipermercado em véspera de campanha de 50% com o sr. Martim pela mão. E foi complicado andar por lá quando ainda por cima eu tinha-lhe prometido uns dias antes que lhe comprava um brinquedinho da vez seguinte que fossemos ao supermercado. Acho que nunca disse tanta vez "isso não" em tão pouco tempo. E eu também só queria uns pacotes de leite...

Luna disse...

È por estas que os meus ficam em casa, já aprendi a lição uma vez com o meu mais velho se deitou no chão gritou nos seus altos pulmões me levou ser algo de atenções de que me rodeavam . Já não bastava o M. agora a irmã, Sim a pequenina já aprendeu fazer birra quando a coisa não lhe corre quando quer. Já me basta basqueiro 2 fazem em casa, qualquer dia tenho protecção de menores a bater-me á porta.
bjocas
Luna

sbn disse...

eheheheh como eu me revejo nesse episódio... oh se revejo.....

Mae Frenética disse...

Eu ja nao levo os meus a lado nenhum. Nenhum.

Pq? Pq sou clarividente? Nao.Nao. Nao. De facto, nao os levo pq isto ja me aconteceu. tanta e tanta vez...

ai meu Deus. Pq q é q eles nao se copiam a portar bem???

Aline disse...

Adorei o teu relato. Mas aposto que, naquele dia, devias estar pelos cabelos. Mãe sofre!

mamie2 disse...

Ai Costinhas... para não me rir, digo só: Ás vezes és tão inocente!

E agora sim: MUAHAHAHAHAHAHAHA....

Beijinhos

Rita (a minha pequena lua) disse...

eu só levo a minha a sitios desses em ultimo recurso! é de uma pessoa enlouquecer!