terça-feira, junho 28, 2011

Acidentes de viação...

Hoje a morte de um jovem famoso após um acidente de viação é notícia de última hora. Hoje faz 5 anos que ia perdendo pela segunda vez um irmão num acidente do mesmo tipo. De hoje a pouco menos de um mês faz onze anos que perdi o meu irmão da mesma forma.

Tinha 22 anos, acabado o curso nesse dia e saído de casa depois do jantar e de chinelos de praia para passear o cão.

No dia seguinte eu esperava a família em minha casa para continuarmos a comemorar o fim do seu curso. Ele ia finalmente gozar qualquer coisa parecida a férias antes de pegar ao trabalho que já o esperava. Tinha uma namorada e o futuro era já planeado a dois. Em vez disso recebi uma chamada a dizer que ninguém sabia do meu irmão. A carne ficou na bancada a descongelar.

À porta do prédio encontrou um amigo de infância que também tinha vindo passar o fim-de-semana a casa e que o convidou a ir dar uma volta com ele ao quarteirão para lhe mostrar o seu carro novo. Parece que não queria ir porque estava cansado e de chinelos, mas o (nosso) amigo lá o convenceu e foi. Ficámos a saber disto tudo no dia seguinte graças ao vizinho cusco do prédio da frente que nunca larga a janela e ouviu a conversa toda.

A meia-dúzia de quilómetros de casa um carro ao ultrapassá-los dá-lhes um toque na traseira, o carro entra em despiste e embate contra uma árvore abraçando-a com o lado do condutor.

O nosso amigo morreu horas depois, após várias cirurgias. O cão morreu no local. O meu irmão ficou em morte cerebral com um único lanho na testa. Levavam os dois cinto. O homem que lhes bateu chamou a polícia mas ficou a ver tudo de longe sem se identificar. Desconfia-se que estaria alcoolizado ou sob o efeito de outras substâncias mas não há como provar nada. Até a forma como decorreu o acidente é uma suposição porque embora tenhamos acabado por descobrir o carro e provado a sua ligação ao acidente foi impossível, sem testemunhas que tivessem visto o acidente do princípio ao fim, formalizar uma acusação e o caso foi arquivado.

Só descobrimos o seu paradeiro muitas horas depois do acidente, já passava da hora do almoço. Morreu três dias depois no momento em que eu chegava ao hospital, para o ver durante uns minutos na única visita permitida, numa segunda-feira dia 17, numa réplica perfeita do que tinha acontecido com a minha mãe precisamente três meses antes. Tal como três meses antes, voltei para casa para esperar o meu pai e lhe dar a notícia. Como três meses antes, tive de voltar a dizer à minha irmã de apenas 14 anos que tínhamos perdido mais um de nós.

Se andam na estrada tenham cuidado. Se andam na estrada e têm cuidado, não descurem a falta de cuidado dos outros. Se andam na estrada e têm cuidado com o que fazem e com o que os outros fazem tenham na mesma atenção, porque mesmo tendo cuidado e não havendo ninguém à nossa volta, é muito simples ver o filme da nossa vida passar-nos à frente dos olhos, em apenas um segundo.

Nós não somos imortais. O amanhã não é garantido. Pensem nisso quando ligarem o carro da próxima vez.

39 comentários:

Sara T. disse...

Um abraço imenso com todo o Amor, sente, sem palavras e obrigada pela Luz que És♥

Célia disse...

não acontece só aos outros...
beijos

sandra santos disse...

abracito apertadito..

Ana disse...

Sabes, por algum motivo inexplicável, esta história - da qual conhecia apenas o essencial - tocou-me de uma forma tão particular que, desde que a conheço me ficou na memória e me vem à memória muitas, muitas veze quando estou no carro, quando vejo a má condução das pessoas, quando passo por acidentes, quando apanho sustos na rua, enfim. Não sei se pela intensidade inimaginável da ideia de se perder um irmão assim, não sei. Mas, se esta história servir para que pelo menos eu (além de vocês) não me esqueça nunca de ter cuidados desmedidos, então já serve para alguma coisa menos má. Um apertinho. Grande, grande!

akombi disse...

tb a mim este teu relato me tocou, e tb por te acompanhar por aqui sabia que tivestes esses infortúnios na tua vida, mas não sabia dos pormenores, e realmente num segundo a vida muda.

tb a mim me está a tocar esta situação do cantor/actor famosos...ainda há pouco tempo cruzei-me com ele, ele que de vedeta não tinha nada, um rapaz franzino ao contrário do que se vê no mundo dos famosos...e tb me recorda tempos passados que perdi o melhor amigo vitima de acidente de mota, tb em morte cerebral....a minha melhor amiga que regressava com a familia da Expo92 e um condutor alcoolizado leva 3 vidas ( morreu ela de 18 a irmã de 16 e o pai de 42, só sobreviveu a mãe que vinha no banco do pendura).

tb eu penso tanto no quanto a estrada é perigosa seja a conduzir seja como peão.

um beijinho grande.

InêsN disse...

um abraço do tamanho do mundo, amiga.

(e obrigada pela coragem de partilhares este teu testemunho tão somente para alertares terceiros...)

*****

Rita disse...

:( Não sabia do teu irmão. Obrigada por teres tido a coragem de partilhar. Um beijo muito grande

Rita (a minha pequena lua) disse...

ai Sandra... um enorme beijinho para ti querida... não tenho palavras que te possam reconfortar e tirar a dor que deves levar contigo por toda a vida...

Sofia disse...

Eu não sei bem o que te diga...Dizer-te que me sinto angustiada com o teu relato parece-me fútil, mas a verdade é que, não te conhecendo, sinto mesmo, mesmo muito pelo teu irmão.
Basta um segundo e já está. No meu caso, que em menos de 2 anos assisti a 4 atropelamentos, um deles podia mesmo ter sido eu, uma vez que o carro passou a meio metro de mim e apanhou a rapariga que vinha atrás...O trauma ficou de tal forma que volta e meia buzinam-me quando páro ou abrando nas passadeiras e o marido para aligeirar a coisa diz-me que as pessoas ainda estão a sair de casa e já eu imagino que vão atravessar...Mas a verdade é que as cicatrizes ficam sempre lá.
Um abraço grande

Soph disse...

HUG *********************************************************************************************************************************************************************

LP disse...

Beijo

rosinha_dos_limoes disse...

:**************************

mor disse...

Já venho aqui há alguns anos. Gosto muito de ler este blogue.
Um abraço de Macau

Mae Frenética disse...

OLha, nem sei que te diga. Apenas que sei bem o q é "perder um dos nossos".
Beijos

rosário albuquerque disse...

não encontro o teu e-mail... podes dar-me?

Mónica disse...

Nem sei que te diga...
Um beijinho e abraço muito grandes.

Costinhas disse...

rosário: costinhas@gmail.com

(beijo a todas)

Mar disse...

Beijo gigante, linda.

sofia disse...

São os outros que me fazem ter carta e não conseguir conduzir, não o consigo fazer para além daqui do bairro, ou de estradas nacionais desertas
E preciso (mesmo) de começar a pegar no carro e petrifico...

Lamento muito do teu irmão. sei bem o que é perder um dos nossos e nada nos alivia a dor
Beijo grande

Graça disse...

Abraço apertadinho em ti ***

Alexandra disse...

Só para te mandar um grande beijinho.

estrela disse...

Tens sido uma fortaleza nessa familia e realmente em tão pouco tempo perder assim 2 pessoas tão importantes é demasiado doloroso, é preciso ter muito cuidado mesmo na estrada e enerva-me as pessoas acharem que só acontece aos outros! o meu marido por exemplo bebe e conduz, passa vermelhos e não dá o exemplo aos filhos o que custa imenso....é triste

pipian handmade disse...

Força!a ti e a todos que partilham de experiências similares.
Bjs

1gota disse...

"Nós não somos imortais. O amanhã não é garantido." É uma verdade tão absoluta que é realmente incrivel como nos esquecemos dela tantas vezes.

um beijinho grande.

Helena Barreta disse...

Não consigo dizer mais nada a não ser mandar-te um abraço bem apertadinho.

Beijinho

Francesca disse...

Estou arrepiada!
Já passaste por muito!
Força para ti!

Bjs

http://mefrancesca.blogspot.com

mamie2 disse...

Tive mais sorte! O meu ao fim de 10 dias em coma recuperou... lentamente! Já lá vão quase 20 anos, mas a memória está fresca!

Grande beijinho

PM disse...

Uma beijoca e um abraço.......

Mãe(q.b.) ao quadrado disse...

Oh miga... um grande abraço, nem imagino o q passas-te

jocas grandes

Sara MM disse...

credo! já sabia, mas fiqeui toda geladinha ao ler os detalhes....... e fiquei a morrer de pena de ti! espero que nã leves a mal que tenha pena de ti...... e o que tenho! muita!
bjssssssssssssss

Dulce disse...

Já hoje chorei tanto pela memória do meu irmão morto, recordações que, precisamente, o funeral do Angélico acordou! Foi há dezassete anos (quase) mas hoje pareceu tããão perto! E tu falas do mesmo... Mal podes imaginar como sinto este teu texto!... Um abraço. Com carinho e empatia.

nat disse...

* :)

Mocas disse...

muita coragem em partilhares assim, muita mesmo. mas faz a diferença, acredita. muitos beijinhos

Cláudia disse...

Esta tua partilha de sentimentos "tão teus" faz-me pensar (mais uma vez)que a vida num segundo vira.

Tenho vindo a evoluir muito nesta ideia, valorizo cada vez mais o que tenho.
É preciso coragem para seguir em frente, e tu tiveste-a... Vê-se na forma como és e no que transmites aos teus filhos.

Bjs
Claudia

Rita disse...

Arrepiadissssima ao ler-te. Um beijinho.

Luna disse...

não há palavras, apenas um arrepio, um abraço enorme!
bjos

S disse...

sem palavras...
abraço-te...
S

Carla O. disse...

A tua partilha ficou-me gravada. Obrigada. Um beijo com muito carinho.

Rita Quintela disse...

beijo, Sandra