quinta-feira, novembro 15, 2012

Ficar de molho...





Primeiro foi ela que há umas semanas começou com crises de asma nas aulas de educação física. Resolvido. Depois foi ele que ficou com aquela tosse típica. Resolvido. Ontem nem sei bem o que tinha mas estava quente, queixoso da barriga e ouvidos, mole, e, com uma pedrada de sono que dormiu até às onze.

Dormiu, teve mimo, brincou, fez os deveres da escola que pedimos à professora que nos indicasse e à noite parecia outro.

Às vezes o melhor medicamento que (nos) podemos dar - e a maioria das vezes o único verdadeiramente necessário - é tempo para o corpo reagir tal como foi programado para o fazer. Pena é que nos dias que correm tenhamos de parecer autómatos, que nunca ficam doentes e que se ficam têm de se curar a trabalhar com doses cavalares de medicação, que estão sempre disponíveis 24 sobre 7 para trabalhar e agradecidos por isso, que não têm outra responsabilidade nos seus dias além de trabalhar e que não ousam sequer dizer o que lhes vai na alma porque há alguém por cima deles que cultiva a noção do medo.

Medo tenho eu é do que nos estamos a transformar e de que eu não consiga nunca me adaptar a isso nem os ensinar a eles a serem assim.

6 comentários:

Cris disse...

As melhoras do rapaz! A caixa de arrumação do Lego é FANTÁSTICA!!!! :-)
Cris

Sofia disse...

As rapidas melhoras!! :) E ja agora, preciso de uma caixa dessas para os legos ca de casa :) Onde compraram?

Beijinhos
Sofia

Patrícia A. Tomé disse...

Olá, Sandra!
Que o rapaz fique bom logo, logo!
E a caixa dos legos???? Ai a caixa dos legos...! TAMBÉM QUERO UMA PARA OS MEUS RAPAZES!!!!
Conta-nos tudo!
Beijinhos.

Patrícia

Francesca disse...

Assino por baixo! Eu então ando sempre em piloto automático. Booooring!!!!!

http://mefrancesca.blogspot.com

Julieta disse...

Falta-nos tempo. Esta sociedade vive afogada em obrigações e não temos tempo para viver.

Tb quero muito saber onde encontraste esta caixa. Pode ser?

Soph disse...

***************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************************